Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sabesp fala em rodízio drástico: 5 dias sem água e 2 com

De acordo com diretor da companhia de saneamento, apenas solução radical traria mais economia do que reduzir a pressão do abastecimento de água

Em meio a maior crise de abastecimento da história do Estado de São Paulo, o diretor da Sabesp, Paulo Massato, afirmou nesta terça-feira que, num cenário extremo, a companhia poderá chegar a um rodízio “drástico” na região metropolitana: algumas regiões ficariam até cinco dias sem água semanalmente.

“Para fazer rodízio, teria que ser muito pesado, muito drástico. Para ganhar mais do que já economizamos hoje, seriam necessários dois dias com água e cinco dias sem água”, afirmou, durante o anúncio da ampliação da adutora Guaratuba para o sistema Alto Tietê.

Massato disse que o rodízio pode ocorrer “se não chover” o suficiente e se os órgãos reguladores entenderem que a Sabesp deve retirar menos água do Sistema Cantareira – cujo índice atingiu 5,1% de sua capacidade no momento já contabilizado o volume morto. A Agência Nacional de Águas (ANA) determinou na semana passada que a Sabesp diminua a captação do Cantareira.

“Nossa engenharia está correndo contra o relógio. Estamos batendo novos recordes de baixas precipitações”, disse Massato. Segundo ele, a Sabesp não pretende usar a terceira cota do volume morto do Sistema Cantareira.

EM VEJA: Vida seca na cidade grande

Redução da pressão – O diretor da Sabesp afirmou que a companhia está ampliando o período de queda de pressão nas tubulações que atendem a região metropolitana de São Paulo. “Estamos deixando de fazer operação só noturna para fazer também a diurna.”

Segundo ele, “nunca foi necessário” informar a população da diminuição de pressão da água, mas, agora, com a ampliação do período, a companhia decidiu disponibilizar os horários de redução em seu site.

Massato explicou que a redução é diferente para cada área da região. “A redução hoje é variável, cada setor tem uma regra diferente.”

No mesmo evento, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que a válvula redutora de pressão da Sabesp existe há pelo menos quinze anos. “O mundo inteiro tem, para evitar perdas. Mas o período de redução da pressão era mínimo”, afirmou. Segundo ele, a medida, tomada há um ano, evita contaminação, canos estourados e perdas maiores.

Leia também:

Seca no Cantareira já supera cenário mais pessimista

‘Casquinha política’ – Alckmin disse que alguns políticos de oposição estão tentando “tirar casquinha” da crise hídrica. Ele repetiu que o governo paulista tem trabalhado ininterruptamente há mais de um ano para mitigar os efeitos da estiagem. “Não há ninguém que tenha falado mais sobre esse tema do que eu. Tem muita gente tentando tirar casquinha política, tentando levar uma vantagenzinha.”

Alckmin afirmou ainda que São Paulo tem hoje o menor consumo per capita de água e criticou outros prefeitos e governadores que não adotaram políticas de bônus em vigor no Estado. “Não tem nenhum governo do Brasil que tenha feito bônus, engraçado né? Ninguém critica ninguém. Ninguém fez.”

“Não tem ninguém que fez o nível de investimento e obra que nós fizemos, garantindo água para 22 milhões de pessoas a 700 metros de altitude”, afirmou em referência à altitude em que se encontra a região metropolitana de São Paulo.

(Com Estadão Conteúdo)

Redução da pressão representa 52% da economia de água

Redução da pressão representa 52% da economia de água (VEJA)