Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Rio definha e criminosos se empapuçam’, diz procurador

Carlos Alberto Gomes de Aguiar, do MPF, falou sobre a Operação Cadeia Velha, deflagrada para investigar a cúpula da Alerj

O procurador do Ministério Público Federal, Carlos Alberto Gomes de Aguiar, disse que “enquanto o Rio de Janeiro definha” os alvos da operação Cadeia Velha “se empapuçam com dinheiro da corrupção”. A declaração foi dada durante coletiva na Polícia Federal (PF), nesta terça-feira 14, sobre a Operação Cadeia Velha, deflagrada para investigar os deputados estaduais Jorge Picciani (PMDB), Paulo Melo (PMDB) e Edson Albertassi (PMDB) e outras dez pessoas por corrupção e outros crimes envolvendo a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

O procurador afirmou ainda que “a organização criminosa está em franca atividade” e que, por isso, foi pedida a prisão preventiva de empresários de ônibus. “Isso foi feito porque, mesmo depois de todas as operações, eles seguiram repassando propina, o que fizeram foi apenas mudar a forma. Se outrora era através do pagamento em espécie, agora era por meio de simulacros”, disse.

“Por isso, era fundamental exercer atividades econômicas para a ocultação desses valores. O Picciani realiza atividades com gado, que é altamente suscetível a lavagem de dinheiro”, continuou o procurador, referindo-se à empresa da família Picciani, Agrobilara, já citada em várias investigações.

Aguiar disse também que os parlamentares “multiplicaram por várias vezes o seu patrimônio”. “O poder público está reagindo ao crime organizado. Temos absoluto respeito à atividade parlamentar e até por isso entendemos que esses personagens sejam retirados da vida pública, sendo aplicadas as devidas penas legais”.

Segundo o procurador, “a atuação do atual presidente da Alerj advém de longa data. É uma relação que inevitavelmente foi financiada com dinheiro da corrupção, a ponto de favorecer os poucos que se prestavam a entregar dinheiro proveniente de contratos públicos”. Carlos Alberto disse ainda que “essa organização criminosa é a mesma da qual fez parte o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral e os conselheiros do Tribunal de Contas que estão sendo investigados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ)“.

Defesa

Em nota, Jorge Picianni, citado pelo procurador, afirmou que ‘jamais recebeu vantagens em troca de favores’ e que sua família atua há mais de trinta anos no ramo da pecuária. O parlamentar também defendeu seu filho, o empresário Felipe Picciani, um dos alvos da operação da Polícia Federal.

“O que aconteceu hoje com meu filho é uma covardia feita para atingir tão somente a mim. Felipe é um zootecnista, bom pai, bom filho, bom amigo, que trabalha de sol a sol e não tem atuação política. Todos que o conhecem o respeitam e sabem do seu caráter e correção”, justificou.

“A indicação do nome do deputado Edson Albertassi para integrar o TCE [Tribunal de Contas do Estado] foi do governador Luiz Fernando Pezão e aconteceu mediante o fato de os três auditores a quem caberia a indicação terem decidido não concorrer por ainda estarem no período de estágio probatório, o que foi avaliado por eles como insegurança jurídica”, concluiu.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Smigle

    A solução para o Rio de Janeiro é muito simples, e nem deve ser muito cara. Chama-se bomba de neutrons. Talvez seja necessário usar mais de uma, devido à topografia, mas deixaria a cidade novamente maravilhosa.

    Curtir

  2. ViP Berbigao

    kkk… E o silencio estrondoso do judiciário e ministério público do Rio de Janeiro? Ah bom… são surdos, cegos e mudos…. kkkk

    Curtir