Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rebelião deixa pelo 56 mortos em presídios do Amazonas

Matança começou após fuga de detentos e desencadeou guerra entre facções Família do Norte e PCC

Rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus, iniciada neste domingo, durou mais de 17 horas e deixou ao menos 60 presos mortos, segundo a secretaria de Segurança Pública do Estado. Muitos dos detentos foram decapitados e esquartejados.

Além das mortes, 12 agentes prisionais foram feitos reféns durante o motim. Na manhã desta segunda-feira, eles foram liberados sem ferimentos. Terror foi cenário para o que aconteceu nessas últimas horas no Compaj. Pelo menos 40 cabeças e mais de uma centena de pedaços de corpos foram levados ao Instituto Médico Legal de Manaus. “A polícia científica agora terá de montar um quebra-cabeças para saber que parte pertence a quem”, disse uma fonte ao site de Veja. Oficialmente, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas ainda não se manifestou quanto aos corpos.

O presídio, localizado no quilômetro 8 da BR 174 (que liga Manaus a Boa Vista), foi tomado por bandidos que integram a Família do Norte (FDN), a maior facção na região Norte do país. Cerca de 300 detentos teriam conseguido fugir e, até o fim da noite, 15 haviam sido recapturados.

Dentro das cadeias, no entanto, a FDN iniciou o ataque aos rivais do Primeiro Comando da Capital (PCC). Em outubro, pelo menos 25 morreram em rebeliões em Rondônia, Roraima e Acre nesta disputa de controle. A guerra foi um dos motivos que fizeram o PCC paulista (maior facção do país) rachar com o Comando Vermelho, que se aliou à FDN.

Em vídeos que circulam entre policiais, há uma cena em que detentos enfileiram cinco cabeças decapitadas e e as identificam por nomes que seriam membros do PCC.

Houve confronto com a PM quando policiais tentaram retomar o controle do Compaj. Uma dezena de funcionários foi feita refém. Todos foram liberados na manhã esta segunda-feira.

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, classificou a rebelião como massacre. “Alguns corpos foram jogados para fora das unidades, então existem mortos”, disse em uma entrevista coletiva.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jarbas N. Cavalcante

    Zé Mané, está com peninha dos bandidos!? Leve para sua casa e, de carinho para eles… Fala sério!!!

    Curtir

  2. Aloisio Barros

    Os 60 mortos eram o que? Bandidos? Ótimo! Deveria haver rebelião todos os dias.

    Curtir

  3. Carlos Leonardo

    ISSO NÃO TEM NADA DE BONITO, só mostra o descontrole das autoridades e o domínio dos marginas em um local onde o estado deveria tê-los sob controle. PRIVATIZEM JÁ OS PRESÍDIOS e coloquem os presos para pagar por tudo o que gastam lá dentro!!

    Curtir

  4. César Augusto

    Se eu tivesse parente bandido ia ser o primeiro a celebrar o fim deles. Não quero ninguém sujando o nome da minha família!

    Curtir

  5. Abram as celas, deixem que essa cambada de vadios se gladiem entre eles. E’ o melhor modo de cortarem as despesas de estado. Ficar sustentando esses vagabundos com o dinheiro do povo honesto e que poderia estar sendo gasto com finalidades mais nobres.

    Curtir

  6. Wilson A. Zamignani

    BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO…

    Curtir

  7. \0/!!!

    Curtir