Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quando o beijo é protesto

Por que são importantes os sinais públicos de afeto LGBT

Como cineasta, fico triste quando alguns amigos atores gays me relatam que são coagidos por alguns figurões da dramaturgia brasileira a ficar no armário. A justificativa é tacanha: a dona de casa não vai conseguir sonhar com você como galã assim. Como diriam os gringos: bullshit! O que condena nossa TV a ficar atrás da revolução que acontece além do nosso território, em que a qualidade cinematográfica de algumas produções televisivas superou a do cinema, é essa mentalidade de que o público é limitado e precisa de reiterações do bem pensante para acompanhar uma trama muitas vezes pobre em ambiguidades e subtexto, ou uma versão “prozacqueada” da realidade. Por isso, não saberia separar a vida privada de um ator da vida pública. Não subestimem a inteligência das pessoas.

É nesse contexto que beijo é protesto. Em outras palavras, a demonstração pública de afeto LGBT é uma forma de combater o preconceito e construir no imaginário coletivo uma nova normalidade, mais justa. Palmas à torcida do Palmeiras que recentemente repudiou os já famosos gritos de “bicha” no estádio. Palmas aos dois jogadores do futebol italiano que deram a entender ter assumido seu amor. Palmas à bravura do aluno do ITA que foi de vestido à formatura. Pena dos âncoras gays de telejornais que têm de balançar a plumagem de pavão para fazer pose e não “perder a credibilidade”.

Eu não tenho (mais) vergonha de dizer que gosto de homem. Acho bonito, me atrai, me faz feliz. Mas ser homem e ser macho não são sinônimos. A “macheza” cultural é muitas vezes tóxica. Mata, oprime, subjuga os que não se encaixam nesse enredo de novela pobre e malfeita, em que só os machos, fortes e brancos podem ser os protagonistas. Ou que relega as meninas namoradeiras à condição de “galinhas que não são para casar” e eleva os moleques pegadores ao altar dos “garanhões”. Desculpem, mas esse mundo de vocês está velho e podre. Com beijos, amor e afeto, aviso: saiam da frente que queremos passar.

***

Gilmar Mendes, se não fosse o fato de a parada LGBT ser neste fim de semana, esta coluna sobre injustiça seria só sua. Eu perguntaria como vou explicar você ao meu futuro filho. Fico pensando se o que o move é a ideia equivocada de que nossa democracia é jovem demais e precisa de “ajustes” para nos salvar do caos. Mas a verdade é que você me mete muito medo e avinagrou de vez meu parco senso de justiça no Brasil. Então, vou tentar me calar — por medo de não conseguir pagar o processo que você provavelmente moveria contra mim e por não ter absolutamente nenhuma crença na Justiça brasileira. Muitos se preocupam com as facções criminosas do tráfico de drogas, mas desconfio que aqueles que você protege (talvez com boas e equivocadas intenções ou por lealdade a seus amigos) são gente muito mais danosa. Porque tomou de assalto bilhões de dinheiro público e porque rouba recursos da educação de qualidade, que poderia fazer deste país desigual um país mais justo. Fica aqui meu protesto. Um beijo.

Compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Flavio Feronato

    Para mim é só questão de Ecologia. Ou agora vamos cruzar touro com touro só pq os gays querem? A polinização ocorre sempre entre macho e fêmea nas flores. Mesmo os índios, não têm conceito gay, salvo os que já foram doutrinados pelos xibungos.

    Curtir

  2. Moacir Vascocnelos

    O escritor dessa reportagem é o irmão homossexual do Luciano Hulk (Fernando Grostein). Dai tiramos pq veja só tem reportagens sobre gays de umas semanas para cá.

    Curtir

  3. Ailton Silva

    Parece que a revista Veja esta virando uma revista gay. Nesse momento tem 7 reportagens de capa na Veja Online. Querem perder os ultimos fios de credibilidade que supostamente ainda possuem

    Curtir

  4. Anelize Diniz

    Parabéns, Fernando , essa foi a coluna mais bem feita que tive o prazer de ler nos últimos anos.

    Curtir

  5. Oscar Pereira Leite Jr.

    Impor uma anomalia como forma de felicidade é uma maneira, sim, de duvidar da minha inteligência!

    Curtir

  6. A homossexualidade é uma vergonha! Principalmente em público, quando os gays saem de mãos dadas e se beijam na boca. Fico imaginando os dois na cama, praticando atos sujos, que contrariam as leis de Deus e da natureza… Ninguém deveria apoiar isso!

    Curtir