Prioridade das empresas era o dinheiro, não a saúde, diz PF

Uma empresa de Goiás tinha lote contaminado com salmonela; a PF apontou ainda venda de frango com papelão, mas não especificou em quais marcas isso ocorreu

O delegado Maurício Moscardi Grillo, da Polícia Federal (PF), afirmou que a prioridade das empresas envolvidas na Operação Carne Fraca era “o capitalismo, o mercado, não a saúde pública”. Segundo ele, grandes corporações do setor agropecuário brasileiro, entre elas a JBS e a BRF adotavam procedimentos de barateamento dos produtos, visando exclusivamente aumentar os lucros, mesmo que em detrimento da qualidade do que era repassado aos consumidores.

Para Grillo, a corrupção era intencional e partiu das corporações – de acordo com ele, não houve “extorsão” pelos fiscais. No caso da BRF, ele afirma que o grupo tem um setor – gerência de relações institucionais e governamentais -, cuja principal função é “articular vantagens para a empresa”, como a transferência indevida de fiscais dos lugares onde eles trabalhavam. De acordo com ele, era comum que a BRF exercesse “uma força” para retirar de suas áreas fiscais que estivessem sendo rigorosos e substituí-los por outros, da “banda podre”, como ele qualificou.

Carnes contaminadas

Dentre as irregularidades investigadas pela operação estão a liberação de lotes de carne estragadas, contaminadas com bactérias e com utilização de produtos cancerígenos. A operação é a maior da história PF e foi deflagrada na manhã desta sexta-feira, apurando irregularidades na fiscalização de frigoríficos

Segundo a decisão da Justiça, uma funcionária da empresa Peccin, envolvida nos casos investigados, relata a “a utilização de carnes estragadas na composição de salsichas e linguiças, a ‘maquiagem’ de carnes estragadas com a substância cancerígena ácido ascórbico, carnes sem rotulagem e sem refrigeração”. Há também relato de pressão para liberação de um lote contaminado com salmonella, da empresa Rio Verde, além de remessas de frango com papelão e lotes de linguiça com carne de cabeça.

Procuradas pelo site de VEJA, a empresa BRF declarou que “está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A companhia reitera que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas”. Em nota, a JBS afirmou que a empresa e “suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e comercialização de alimentos no país e no exterior” e que “apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas”. A empresa Peccin Agro Industrial informou que não vai se pronunciar no momento.

Confira a nota da JBS na íntegra:

“Em relação a operação realizada pela Polícia Federal na manhã de hoje, a JBS esclarece que não há nenhuma medida judicial contra os seus executivos.  A empresa informa ainda que sua sede não foi alvo dessa operação.

A ação deflagrada hoje em diversas empresas localizadas em várias regiões do país, ocorreu também em três unidades produtivas da companhia, sendo duas delas no Paraná e uma em Goiás. Na unidade da Lapa (PR) houve uma medida judicial expedida contra um médico veterinário, funcionário da companhia, cedido ao Ministério da Agricultura.  

A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas.

A JBS no Brasil e no mundo adota rigorosos padrões de qualidade, com sistemas, processos e controles que garantem a segurança alimentar e a qualidade de seus produtos. A companhia destaca ainda que possui diversas certificações emitidas por reconhecidas entidades em todo o mundo que comprovam as boas práticas adotadas na fabricação de seus produtos.  

A companhia repudia veementemente qualquer adoção de práticas relacionadas à adulteração de produtos – seja na produção e/ou  comercialização –  e se mantém à disposição das autoridades com o melhor interesse em contribuir com o esclarecimento dos fatos. “

Confira a nota da BRF na íntegra:

A BRF informa que, em relação à operação da Polícia Federal realizada na manhã desta sexta-feira, está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A companhia reitera que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas. A BRF assegura a qualidade e a segurança de seus produtos e garante que não há nenhum risco para seus consumidores, seja no Brasil ou nos mais de 150 países em que atua.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Snebur Otten

    Corrijam que acido ascorbico não é cancerigeno, mas a Famosa Vitamina C…..KKKK eita fonte panaca da Veja

    Curtir

  2. quantas crianças não comeram e consomem esta carne, pergunto o que fazer com estes assassinos: resposta: pena de morte crime hediondo e terrorismo, tem que morrer, tem que ir pro colo do capeta… chegaaaaaa…. povo brasileiro não aguenta mais estes terroristas, vai ver se o filho destes trastes come estas porcarias, desgrçados, tem que ir pro colo do capeta….

    Curtir

  3. Mirian Waleska J. da Rosa

    Deviam ter vergonha na cara de dizer que estão colaborando com a justiça. Estas empresas tem que ser boicotadas pelos brasileiros, ninguém mais comprar estas marcas, eu não vou comprar mais, nem BRF, SADIA, SEARA, FRIBOI E tantos outros estiverem envolvidos nesse crime contra a humanidade. Bandidos, que toda a família deles morram de câncer. Que não se salve nenhum.

    Curtir

  4. César Augusto

    Sadia! Sadia é Doentia!

    Curtir

  5. marcos mutelle

    Agora é a hora de darmos uma lição neles. É boicotar no supermercado e não comprar as marcas deles. E a Seara tem a cara de pau de colocar a Fátima Bernardes dizendo “VCS SÃO SE SURPREENDER COM A QUALIDADE” realmente estamos bem surpresos

    Curtir

  6. Guilherme Carrara Neto

    Cadê o COMPLIANCE, hein JBS e BRF ? Governança corporativa é o escambau?

    Curtir

  7. Luis Carlos gonzaga

    Que absurdo em quem confiar, ta tudo contaminado , estamos perdidos, inclusive defensivos agricolas proibidos em muitos paises aqui usam e abusam !!!!!

    Curtir

  8. Crime contra saúde pública. Deveriam ser enquadrados na Lei de Segurança Nacional e fuzilados. Não vamos esquecer do leite!

    Curtir

  9. e haja quem acredite nessas falaceas. coma produtos deles quem quiser, pra mim tem q boicotar essas marcas…

    Curtir

  10. Richard Andrade

    “O delegado Maurício Moscardi Grillo, da Polícia Federal (PF), afirmou que a prioridade das empresas envolvidas na Operação Carne Fraca era ‘o capitalismo, o mercado, não a saúde pública’.” O que ocorreu nada tem a nada a ver com capitalismo. Capitalismo é apenas um sistema que PERMITE o mercado de simplesmente EXISTIR. Sem capitalismo não é mercado, sem mercado não há capitalismo. A fala pode soar bonita, mas não faz sentido.

    Curtir