Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Preso maltratado tem direito a indenização em dinheiro, diz STF

Para o Supremo, estado deve reparar detento abrigado em condições desumanas; três ministros defendem redução da pena como compensação, mas foram vencidos

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (16) que presos em situações degradantes têm direito à indenização em dinheiro por danos morais. Por unanimidade, a Corte entendeu que a superlotação e o encarceramento desumano geram responsabilidade do Estado em reparar os danos sofridos pelos detentos pelo descumprimento do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.

A questão foi decidida no caso de um preso que ganhou o direito de receber 2 mil reais de indenização por danos morais após passar 20 anos em um presídio em Corumbá (MS). Atualmente, ele cumpre liberdade condicional. O caso tem o efeito que o STF chama de “repercussão geral”, ou seja, vale para todos os casos idênticos que venham a ser julgados em instâncias inferiores.

Todos os dez ministros votaram pelo entendimento de que o preso que recebe tratamento degradante tem direito a compensação por parte do estado, mas três deles defenderam que a indenização não precisa ser em dinheiro.

O ministro Luís Roberto Barroso, por exemplo, disse que o pagamento em dinheiro não é a forma adequada para indenização e sugeriu a compensação por meio da remição (redução da pena) na proporção de um a três dias de desconto na pena a cada sete dias em que o detento passar preso inadequadamente. “A indenização pecuniária não tem como funcionar bem. Acho que ela é ruim do ponto de vista fiscal, é ruim para o preso e é ruim para o sistema prisional. É ruim para o preso porque ele recebe 2 mil reais e continua preso no mesmo lugar, nas mesmas condições”, argumentou Barroso.

O ministro Luiz Fux concordou com Barroso e afirmou que a situação dos presídios contraria a Constituição, o que torna as condenações penas cruéis. “A forma como os presos são tratados, as condições das prisões brasileiras implicam numa visão inequívoca de que as penas impostas no Brasil são cruéis”, disse.

Dinheiro

A tese que prevaleceu, no entanto, foi a de que a indenização tem de ser em dinheiro. O ministro Marco Aurélio Mello, que votou a favor do pagamento em dinheiro, disse que o Estado deve cuidar da dignidade do preso e de sua integridade física. “É hora de o Estado acordar para essa situação e perceber que a Constituição Federal precisa ser observada tal como se contém. A indenização é módica tendo em conta os prejuízos sofridos pelo recorrente [preso].”

Cármen Lúcia também votou a favor do pagamento da indenização pecuniária e destacou em seu voto as visitas que tem feito a presídios do país como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em uma das inspeções, a ministra relatou que encontrou presas grávidas que foram algemadas na hora do parto.

Segundo ela, a falta de cumprimento da lei em relação aos direitos dos detentos também gera casos de corrupção no sistema prisional. “O que se tem no Brasil decorre de outro fator, que ao visitar essas penitenciárias a gente tem uma noção grave, é da corrupção que há nestes lugares. Troca-se a saída de alguém que não tenha direito por algum benefício. A situação é bem mais grave do que possa parecer, de não cumprimento da Lei de Execução Penal”, afirmou a ministra.

(Com Agência Brasil)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rodrigo Ramos Vieira

    Na minha opinião, todo cidadão(ã) de bem que for assaltado(a), também deveriam receber indenização, pelos impostos abusivos que pagam e pelo serviço que não recebeu no momento em que foi pisoteado pelo crime!

    Curtir

  2. Vandilson Ferreira

    saio, ontem a noite e hoje ja não tem nada nem uma potinho de noticia no g 1, o governo compra boa parte da mídia para não desgastar o governo, ISSO E UM TAPA NA CARA DE TODA POPULAÇÃO DE BEM DESTE PAIS.

    Curtir

  3. Jorge Bezerra Torres

    As vítimas dos “internos” (gostaram do politicamente correto??) e seus familiares, também; e apoio psicológico do “Estado”. Advogados(as) do brasil, uni-vos… A organização terá o nome de Just Lower. Terá apoio de advogados(as) experientes, em todas as capitais. Seus assessores, dos just lowers, coletarão, nas mídias, casos de desrespeito aos direitos civis, que mereçam ações indenizatórias. Os honorários, levando-se em conta as condições sociais das vítimas, serão repartidos com todos os advogados envolvidos; o just lower do município e o seu apoiador da capital (incógnito). Nunca deverão se identificar como membros dela. Atulhar os fóruns de demandas.

    Curtir

  4. César Augusto

    É isso aí!
    Criminoso não paga imposto, não trabalha mas o bem-estar deles vale mais que a sua vida, otário trabalhador!
    Você que paga o salário de dezenas de milhares de reais (ou centenas) dessas “sumidades” do judiciário vai ter que pagar indenização aos coitadinhos latrocidas! Ah sim, você, otário trabalhador, que acorda às cinco e paga imposto até no pãozinho que come, paga o bolsa-assassino, o bolsa-estuprador também. Se você for assassinado à caminho do trabalho por uma “vítima da sociedade” o STF está cag… e andando para você e sua família! Aguenta peão!!!

    Curtir

  5. Bom dia. À cada dia, uma perola. Meus céus, que absurdo é esse? Então que mande reformar todas as prisões, que julguem todos os casos que sequer foram vistos. Senhores juízes do Brasil, trabalhem porque os salários de vocês são bem vantajosos. Então, que paguem melhor , os policiais, os agentes penitenciários etc..

    Curtir

  6. Luiz Henrique Mellios

    Entramos na era do STF populista.
    As famílias dos maltratados por bandidos terão esse direito?

    Curtir