Policial civil é condenado a 11 anos por agredir comerciante

A estudante de direito Iolanda dos Santos, que chamou o policial para ir à loja, foi condenada a seis anos e seis meses de prisão pelo crime de tortura

A Justiça de São Paulo condenou nesta quinta-feira o policial civil José Camilo Leonel a 11 anos, 9 meses e 10 dias de prisão – seis deverão ser cumpridos em regime fechado – pelo crime de tortura, constrangimento ilegal, ameaça e denúncia caluniosa. Em janeiro deste ano, Leonel agrediu e ameaçou o comerciante iraniano Navid Rasolifard Saysan, dono de uma loja de tapetes na Zona Oeste de São Paulo. As imagens das agressões e ameaças foram registradas pela câmera de segurança da loja.

As agressões ao comerciante aconteceram após a estudante de direito Iolanda Delce dos Santos ir até o estabelecimento de Saysan, onde havia comprado um tapete, para pedir o dinheiro da compra de volta. Imagens das câmeras de segurança da loja mostram que o investigador chegou ao estabelecimento pouco depois que Iolanda saiu do local, sem conseguir a devolução do dinheiro, e fez uma ligação. Ao chegar ao local, Leonel agrediu o comerciante e o ameaçou com uma arma. O Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, foi chamado para reforço e Saysan saiu algemado da loja. Leonel está preso desde abril.

LEIA TAMBÉM:
Guarda confessa que usou rede social para atrair 5 assassinados
Polícia Federal deflagra operação contra grupo de extermínio

Iolanda foi condenada a seis anos e seis meses de prisão, três em regime fechado, pelos crimes de tortura, constrangimento ilegal, ameaça e denúncia caluniosa  – ela poderá recorrer em liberdade. A decisão da juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira determina ainda que, por abuso de autoridade, Leonel pague multa de 20.000 reais, tenha a aposentadoria suspensa e seu cargo cassado.

Na sentença, a juíza destaca que o réu causa “desassossego na sociedade, demonstrando claro desrespeitos à vida alheia, abusando de sua função pública, com uso de arma, distintivo, viatura da Polícia Civil do Estado de São Paulo, bem como o apoio de uma série de policiais civis em sua conduta, praticada com violência contra um comerciante”. Iolanda, destaca a juíza, possui “personalidade egoísta, arrogante e presunçosa”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Tiago Gabriel

    Que sirva de exemplo também para os advogados que sempre insistem em andar em desacordo com a legislação e não respeitam ninguém pensando que são uns deuses. que sirva e exemplo para esses babacas fora da lei

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Boa notícia.

    Curtir

  3. Andre Santana

    Essa juizá esta de parabéns… Estamos cansados de ver esses policiais se achando acima da lei.

    Curtir

  4. Carlos Galvão

    Xupem vagabundos.

    Curtir

  5. Haroldo Rego

    Parabenizo a Rafaela Lara pela reportagem e a juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira pela decisão, ambas são excelentes profissionais e que sirvam de exemplo para outras mulheres brasileiras no Brasil da IMPUNIDADE.

    Curtir

  6. Haroldo Rego

    Parabenizo e agradeço a Navid Rasolifard Saysan pelo belo exemplo a ser seguido e não se intimidar perante ao casal de meliantes.

    Curtir

  7. Joao Vitor Costa

    Justiça sendo feita!

    Curtir