Polícia e bombeiros buscam restos mortais de Amarildo

Dez policiais militares estão presos, acusados de torturar pedreiro até a morte e esconder o corpo na Rocinha. Procura se concentra em represas da favela

Cerca de 30 policiais da Divisão de Homicídios, com auxílio de 40 bombeiros, realizam na manhã desta sexta-feira, buscas pelos restos mortais do pedreiro Amarildo de Souza, em represas na parte alta da favela da Rocinha. A procura conta com a ajuda de cães farejadores e mergulhadores do Corpo de Bombeiros.

Os trabalhos começaram por volta das 10 horas, na represa do Laboriaux. A represa, com seis metros de profundidade, foi esvaziada há dois dias, a pedido da Polícia Civil. O trabalho no local foi suspenso, após uma hora de busca. Os policiais e bombeiros seguem agora para uma segunda represa, localizada na Dioneia. As duas represas foram citados por testemunhas do inquérito da DH como possíveis locais de ocultação do cadável do Amarildo.

O pedreiro está desaparecido desde a noite de 14 de julho, quando foi conduzido por PMs de sua casa, na Rua Dois, à sede da Unidade de Polícia Pacificadora, no Portão Vermelho. Dez policiais da UPP da Rocinha estão presos preventivamente há uma semana, acusados de tortura seguida de morte e ocultação do cadáver de Amarildo.

Leia também:

Mais 20 PMs são investigados pela Divisão de Homicídios

Entenda a trama de suborno e mentiras que embaralhou o caso Amarildo

Major Edson operou para evitar confissão de acusados

(Com Estadão Conteúdo)