Polícia Civil apreende 60 fuzis no aeroporto do Galeão, no Rio

Armas AK-47, AR-15 e G3 vieram de Miami e estavam escondidas em aquecedores de piscina. É a maior apreensão de armas no Rio nos últimos dez anos

A Polícia Civil do Rio de Janeiro fez nesta quinta-feira uma das maiores apreensões de fuzis da história do estado. Sessenta armas de guerra, divididas em três modelos de grosso calibre, foram apreendidas no terminal de cargas do Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador, região metropolitana do Rio. Os fuzis chegaram ao Rio em um voo vindo de Miami, nos Estados Unidos, e estavam escondidos dentro de contêineres que traziam aquecedores de piscina. A ação foi conduzida por policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (DESARME) e da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), com apoio da Polícia Federal.

Os agentes apreenderam 45 fuzis AK-47, 14 fuzis AR-15 e um fuzil G3 e prenderam quatro pessoas na ação no aeroporto. Informação preliminar do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio de Janeiro indica que a apreensão de fuzis no Galeão é a maior nos últimos dez anos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública fluminense, a investigação que levou à apreensão das armas durou um ano e foi baseada em interceptações telefônicas sobre os criminosos.

De acordo com o delegado Marcelo Martins, diretor de delegacias especializadas da Polícia Civil, a apuração começou na Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas depois do assassinato de um policial em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A descoberta da origem da arma utilizada no crime levou à apreensão no aeroporto.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira na Cidade da Polícia, no bairro do Jacaré, Zona Norte carioca, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá, disse que a apreensão “salvou muitas vidas”. “Estou tomado pela emoção e pela indignação. Mas tenho que agradecer o trabalho da Polícia Civil. Preciso dizer que estamos em estado de calamidade pública, oficialmente, com uma série de serviços suspensos e falta de RAS [Regime Adicional de Serviço], o que não impediu que nossos policiais dêem resposta à criminalidade. Eles demonstram amor à profissão e compromisso”, declarou.

O secretário afirmou que, nos últimos 150 dias, 250 fuzis foram apreendidos no Rio. “Os últimos 90 sem disparar um tiro”, disse Sá, em referência às 60 armas de guerra apreendidas nesta quinta-feira e aos 32 fuzis apreendidos no início de maio em operação na Cidade Alta, no bairro de Cordovil, Zona Norte.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. FATO 01 : A polícia prendeu agora por que quis
    FATO 02 : prenderam esse lote mas provavlemente já passou outros 02
    FATO 03 : não é traficante da favela que importa isso. Tem que ser gente mais “graúda”

    É o que diz o bom senso.

    Curtir

  2. Marcos Lopes

    O Governo brasileiro tem que tomar vergonha na cara e coragem e inquirir os fabricantes e vendedores destas armas, pois os mesmos estão contribuindo para essa violência sem precedentes no Brasil. Armas novas geralmente tem numeração e são rastreaveis desde a produção até a venda. Os governos dos países de onde vem essas armas também tem explicações a dar.

    Curtir

  3. Pilantras que contribuem com essa guerra no Rio de Janeiro e no Brasil estão por todo canto. Países fronteiriços, Europa e América. No rio o Sérgio Cabral 71 PMDB chefe maior falou o estado. E tudo isso sobra pra quem? As policias estaduais.

    Curtir

  4. Agora é preciso identificar e cobrar a responsabilidade de quem despachou as armas e exigir explicações do governo norte-americano pela facilidade com que permitem o envio aéreo de carga tão perigosa, principalmente nestes tempos de atentados terroristas.

    Curtir

  5. Rose Almeida

    Quando viajamos para o exterior, nem shampoo em bagagem de mão podemos levar no avião, passa tudo pelo raio X, na ultima vez, pegaram até uma tesourinha sem ponta (escolar) do filho de 5 anos de uma mulher na minha frente e jogaram no lixo. Ai embarcam uma carga de fuzis e tá tudo certo.

    Curtir

  6. Robson La Luna Di Cola

    Quanto faturam as grandes corporações fabricantes de armas atendendo o “mercado’ do crime organizado, dos movimentos terroristas, e das milícias que existem no mundo inteiro? A morte é um negócio como outro qualquer…

    Curtir

  7. Sidney Alves de Oliveira

    O ÓBVIO precisa ser escancarado : a entrada….de uma coisa…, garante a entrada…..distribuição da outra…. neeee !
    Sigam os dinheiro$ que infelizmente compram tudo e devastam um Povo e Nação ( podem colocar isso no pruram também ok ) !
    Descaso proposital e absoluta falta de competências !!!!
    Somais uma observação : talvez aí estejam as respostas do porque os indinheirados , Políticos , autoridades Constituídas que dizem estarem nos representando etc etc , não fazem e promovem as TEFORMAS GERAIS tão necessárias para sanarem tudo isso ; porque não ?
    As respostas encontramos aliás ; somos atropelados todos os dias com os Telesjornais, revistas, meios de comunicacao e imprensa ( alguns comprados e dirigidos com dinheiro da
    Corrupcao !!!
    Quem sabe um dia desses não eee Brasillllllll

    Curtir

  8. Restou a duvida, as armas eram para os traficantes do Rio ou para os militantes do PT?

    Curtir