PF inicia greve de 72 horas nesta quarta

Quinta e sexta-feira devem ter adesão de, pelo menos, 17 Estados ao protesto, segundo sindicato da categoria do Rio de Janeiro

Escrivães, papiloscopistas e agentes da Polícia Federal começam nesta quarta-feira uma paralisação de 72 horas em protesto à edição da Medida Provisória 657/14, que torna o cargo de diretor-geral da PF função exclusiva de delegados. O movimento deverá começar no final da tarde desta terça-feira, com atos públicos pra anunciar a greve em frente às unidades da PF.

No Rio de Janeiro, os atos estão agendados para as 18 horas na sede da Petrobras para reforçar as denúncias de corrupção na empresa. A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) afirma que a greve afetará pelo menos dezessete Estados na quinta-feira e sexta-feira. “A paralisação não atingirá o atendimento ao público, outra vítima dessa MP absurda, que representa um retrocesso. O governo nos traiu, quebrou o acordo que fez com os EPAs (escrivães, papiloscopistas e agentes) de nada editar durante os 150 dias de negociação que só terminam em novembro.”

Leia também:

Usada como trunfo eleitoral por Dilma, PF perde efetivo

Greve de policiais: proibida de parar, PF faz assembleias

Policiais de treze Estados decidem parar na quarta-feira

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) e a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) classificaram como injustificável a paralisação. “É motivo de preocupação entre os delegados de Polícia Federal que a boa imagem da institutição perante a sociedade brasileira seja comprometida por um movimento grevista inoportuno com finalidade nitidamente eleitoreira”, afirmou em nota a associação dos delegados.