Perseguição insana

Em vídeo, PMs do Rio de Janeiro culpam vítimas por ação policial que terminou com a morte de uma estudante a tiros de fuzil

Na semana passada, a Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro exonerou do comando do Batalhão de Choque o coronel Fábio de Souza, que uma reportagem de VEJA mostrou ter enviado a um grupo de policiais mensagens com incitação à violência e exaltações ao nazismo. Em seu lugar, assumiu o coronel Wilman René Alonso, ligado ao mesmo grupo. A troca de cabeças não deve ser suficiente para eliminar o culto à violência gratuita que se disseminou pela corporação, juntamente com a prática de atirar primeiro e só perguntar depois. Os resultados desse método podem ser vistos no vídeo obtido por VEJA que ilustra esta reportagem. As imagens, gravadas pelas câmeras de um carro de patrulha, registram em detalhes a ação policial que culminou na morte da universitária Haíssa Vargas Motta, de 22 anos, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, às 5 da manhã de 2 de agosto de 2014.

A sequência é espantosa. Haíssa, na companhia de três amigas, volta de uma festa no banco de trás de um Hyundai, guiado por um colega. Uma patrulha da Polícia Militar avista o carro e o considera suspeito – simplesmente porque, como alegaram mais tarde os PMs, o modelo, o HB20, é um dos mais roubados no Rio e seu motorista usava boné. Em apenas 24 segundos de perseguição, o PM Márcio José Watterlor Alves, com o corpo para fora do carro, dispara nove tiros de fuzil contra o veículo. Um deles atinge as costas de Haíssa. Ela é socorrida e levada a um hospital no Hyundai. Suas amigas, desesperadas, seguem o trajeto no carro da polícia. No caminho, Alves e o colega se dirigem a elas como se fossem as responsáveis pela tragédia: “Por que não pararam?”. Depois, recuam: “Não justifica ter dado o tiro”. Ao relatar a ocorrência pelo rádio, Alves comenta atônito: “Não sei nem o que falo”. Em novembro, o PM foi indiciado por homicídio doloso – seu terceiro auto de resistência (morte a tiros) em quatro anos de PM. O jovem que dirigia o carro declarou em depoimento não ter parado por pensar que os policiais perseguiam uma moto que ia atrás dele.

Depois de um período em queda, o número de mortes atribuídas a policiais no Rio voltou a subir. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública estadual, as “mortes por intervenção policial” aumentaram de 416 em 2013 para 546 até novembro de 2014. O caso dos PMs de Nilópolis traduz a estatística para a vida real. E explica por que é tão difícil eliminar do imaginário popular a noção de que polícia e cidadãos tantas vezes estão em campos opostos.

Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no tablet, no iPhone ou nas bancas. Tenha acesso a todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Outros destaques de VEJA desta semana