Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pelo menos 14 mulheres relatam ação de falso policial nos Jardins

Após mulher ter sido estuprada e o suspeito ter sido preso, outras vítimas têm procurado a polícia para dizer que foram abordadas pelo mesmo homem

Pelo menos 14 mulheres confirmaram à polícia terem sido abordadas e atacadas por Adson Muniz de Santos, de 32 anos, preso na quinta-feira (11) acusado de se passar por policial federal para render, roubar e estuprar uma mulher na sexta-feira (6) na Rua Augusta, nos Jardins, bairro nobre da zona oeste de São Paulo. Outras mulheres têm ligado para a 1° Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), no centro da cidade, que investiga o caso, dizendo também terem sido vítimas  do mesmo suspeito após tê-lo reconhecido nas imagens feitas durante sua prisão. A polícia informou que, até agora, quatro mulheres vítimas de estupro.

A investigação contra Adson começou depois da divulgação de um vídeo nas redes sociais feito por uma vítima. As imagens mostram uma mulher sendo rendida quando saía de um supermercado na Rua Augusta. Muniz esperou o carro sair do estacionamento e, no meio da rua, apresentou um falso distintivo a ela, que acreditou se tratar de um policial de verdade e abriu o vidro. O homem a convenceu a abrir a porta. Foi quando a mulher foi rendida.

Após entrar em seu carro, Adson circulou com ela pela cidade durante três horas e, nesse período, a estuprou e sacou 3.000 reais de um caixa eletrônico com o cartão da vítima. No momento da prisão, ele negou ter cometido os crimes.

 

Denúncia

Uma das vítimas afirmou que denunciou Adson na delegacia após pesquisar na internet casos de pessoas praticando golpes que envolvessem a estratégia de se passar por policiais. Após ver a imagem dele, ela disse não ter dúvida de que tinha sido vítima de um de seus ataques. De acordo com ela, Muniz a abordou dentro de seu carro quando levava exames de sua filha para o Hospital Sírio-Libanês. “Parei o carro na faixa de pedestre e um rapaz bem vestido veio com um distintivo da polícia pedindo que eu encostasse o carro, dizendo que me levaria para delegacia por parar na faixa”, disse. Ela afirmou que começou a desconfiar que ele não era um policial quando entregou sua carteira de motorista vencida a ele, que não se importou com a irregularidade do documento.

“Tinha medo de ele estar armado, queria sair com o carro, mas tinha medo de ele puxar a arma”, contou. Ainda de acordo com ela, Adson insistia a todo momento em levá-la para a delegacia, tentando entrar em seu carro. Ele só teria desistido após a vítima dar o dinheiro que tinha em sua carteira para ele. Ela ressaltou a importância de denunciar o caso, especialmente depois de descobrir que outras vítimas passaram por situações piores.

Santos é filiado ao Partido Republicano Brasileiro (PRB) e foi vereador do município de Jussiape (BA), de cerca de 8 mil habitantes, a partir de 2013, com 361 votos. Ele já havia sido candidato a deputado estadual em 2010, mas, segundo texto publicado em site do partido na Bahia, não conseguiu seguir na disputa por ter sofrido um acidente de trânsito.

Ouça depoimento de uma vítima a VEJA:

(a voz foi adulterada para evitar que ela seja reconhecida)

 

 

Desde a última terça (10), grupos de WhatsApp começaram a espalhar a história e mais mulheres passaram a relatar as supostas abordagens malsucedidas que teriam ocorrido, na mesma  região, por um homem que também teria um distintivo nas mãos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antônio de Oliveira Marques

    Pena de morte ou prisão perpétua

    Curtir