Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

País precisa de R$ 10 bilhões para acabar com déficit prisional

Cada nova vaga no sistema prisional custaria de 40 e 50 mil reais aos cofres públicos

Para acabar com o déficit atual de 250.000 vagas no sistema penitenciário nacional, seria necessário um investimento de pelo menos 10 bilhões de reais. Os números foram apresentados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em documento enviado em outubro à presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, antes de sua primeira blitz em presídios, no Rio Grande do Norte.

No relatório, o CNJ estimou que cada nova vaga no sistema prisional custaria de 40.000 a 50.000 reais aos cofres públicos. No documento, o Conselho alerta Cármen de que havia, na época, 132 unidades sendo construídas com recursos federais, mas “o tempo médio para construção não tem sido menor do que seis anos para a entrega das obras”.

Entre os principais problemas do sistema prisional apontados pelo CNJ à ministra estão superlotação, déficit de gestão (número de agentes penitenciários insuficiente), a ausência de políticas de reintegração social (apenas 13% dos presos estudam e só 20% trabalham) e a mortalidade dentro dos presídios, com surtos de tuberculose, sarna, HIV, sífilis e hepatite entre os detentos.

Antes mesmo dos massacres em Manaus e Boa Vista, com 97 mortes, a questão penitenciária já era prioridade de Cármen. A ministra fez blitze no Rio Grande do Norte, no Distrito Federal e no Rio Grande do Sul. No sábado, o presidente Michel Temer foi até a residência da ministra para discutir o assunto.

Na ocasião, Cármen informou que somente a realização de um censo do sistema carcerário nacional deverá custar ao governo federal até R$ 18 milhões. O levantamento com informações detalhadas de cada presidiário no Brasil é uma das propostas da presidente do Judiciário para superar a crise prisional. Ela já teve reuniões a respeito com o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Paulo Rabello de Castro, e com representantes do Exército.

Um dos pontos que ainda não estão definidos no projeto da ministra Cármen Lúcia é como será feita a coleta de informações. Apesar da possibilidade de o IBGE fazer a coleta dos dados, há alguns casos em que pode ser necessária a ajuda da Pastoral Carcerária.

Como o Estado já antecipou, o censo teria dois eixos. O primeiro é fazer o cruzamento dos dados dos poderes públicos – somando o levantamento de informações penitenciárias feito pelo Ministério da Justiça (Infopen) e o banco de dados do próprio CNJ, o Geopresídios. Em seguida, a ideia é criar um cadastro nacional de detentos, individualizado, com a situação processual e as informações sobre há quanto tempo está detido, há quanto tempo aguarda julgamento e se já estaria preso além do tempo que deveria. Um dos benefícios seria ajudar a diminuir a superlotação.

Ainda na semana passada, o Planalto antecipou o lançamento do Plano Nacional de Segurança, que prevê a construção de cinco cadeias federais. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, os investimentos de 2,2 bilhões de reais previstos para 2017 e a liberação no ano passado de1,2 bilhão do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) marcam o “maior investimento da história” na área.

Preocupados com a demora na construção das cadeias e diante dos desdobramentos da Operação Lava Jato, porém, interlocutores do presidente Michel Temer dão como certo que será necessário fazer uma licitação internacional pra acelerar a entrega de unidades prisionais. “É preciso agilidade na construção dos presídios”, disse um auxiliar do presidente ao Estado.

Domiciliar

No último domingo, 8, a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou uma reclamação no STF para que as autoridades locais respeitem os direitos dos detentos e adotem uma série de medidas para desafogar as prisões. Entre os pedidos da DPU está o de que seja garantido imediatamente o direito de progressão de pena dos detentos, com a aplicação do regime domiciliar, caso não haja vagas em estabelecimentos apropriados.

Segundo a DPU, as reportagens sobre o massacre em Manaus “esclarecem factualmente a situação” e os macabros detalhes são “notórios”. A Defensoria quer que não haja alojamento conjunto de presos de regime semiaberto e aberto com os do regime fechado. Além disso, por causa do déficit de vagas, solicitou que sejam recolhidos ao regime fechado apenas detentos e detentas equivalentes à estrita capacidade de cada presídio.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Na conta já está ou não incluída a propina?Tudo enquanto é obra nesse país é superfaturada,apesar dos empreiteiros estarem enjaulados,os políticos continuam soltos!Tem que esperar um pouco mais,pra ver se STF anda com a parte deles!

    Curtir

  2. Micky Oliver

    50 mil do nosso dinheiro pra guardar cada vagabundo? O que nós precisamos é de PENA DE MORTE!!!

    Curtir

  3. Claudio Stainer

    O Brasil consegue esse valor do BIRD a juros acessíveis com cinco anos de carência e 50 para pagar. Basta querer. Para o restante privatizar tudo. Até as rosas dos jardins privatizados. Para obter uma tem que comprar um cartão na Banca de revistas. Ficaremos com a educção básica e a assistência medida. As prestações continuadas devem recais no Tesouro. SEGURIDADE social É SÓMENTE seguridade. Devemos privatizar o lixo e a bosta dos esgotos.

    Curtir

  4. Que país é este? Os Três Poderes da República, consomem praticamente tudo que os cidadãos de bem produzem de riquezas para manter este país em pé. E qual retorno estes entes e agentes dos poderes da dita república oferecem á estes cidadãos sacrificados? Nenhum retorno, só mais burocracia, mais indústrias para a impunidade, anarquia e mais despesas para seus belos sustentos de vida boa. Os mortais, aqui, que se lixem.

    Curtir