ONU rejeita ligação de judeus com o Monte do Templo

Resolução da Unesco chama locais sagrados apenas pelo nome árabe e faz parte de campanha da entidade contra Israel

A Unesco aprovou nesta quinta-feira, 13, uma resolução segundo a qual o Muro das Lamentações, local mais santo para a religião judaica, assim com todo o Monte do Templo (do qual o Muro faz parte) são sagrados “apenas para os muçulmanos”.

A moção iniciada pelos palestinos com o apoio do Brasil, Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão venceu com 24 votos a favor. Vinte e seis nações se abstiveram e apenas seis foram contra.

Estados Unidos e Israel tentaram por semanas evitar a aprovação da resolução, em uma tentativa de preservar a história e não politizar (ainda mais) o braço das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura. 

O Templo do Monte, chamado em hebraico de Har Habait (“Monte da Casa”), é o lugar onde, acredita-se, foram erguidos o Templo de Salomão e, mais tarde, no ano 70 d.C, o Templo de Herodes.

Em 677 d.C, nesse mesmo espaço, foram construídos o Domo da Rocha e a mesquita de al-Aqsa, de 705 d.C.

Hoje, o local é conhecido como a Esplanada das Mesquitas para os muçulmanos. A cidade nunca foi citada pelo Corão, livro sagrado do Islã, e o profeta Maomé nunca pisou na cidade.

 

Leia também:

Se Jeusalém é tão importante para o Islamismo, por que não é citada no Corão?

Diretor de ONG em Gaza é acusado de desviar dinheiro para o Hamas

Morre aos 93 anos o ex-premiê israelense Shimon Peres

 

A campanha da Unesco contra Israel é antiga. Em 2010, a entidade aprovou cinco resoluções contra o país, igualmente impulsionadas por países árabes. Nelas, a organização rechaçou os esforços de Israel para realizar escavações arqueológicas na cidade, considerou que locais sagrados em Belém e Hebron pertencem unicamente aos territórios palestinos, além de condenar a existência de um muro que separa Israel dos territórios e o bloqueio imposto contra a Faixa de Gaza.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cesar8002UTB

    Que diabos o Brasil está fazendo no meio dessas ditaduras sanguinárias e… Ah, claro! Ranço da Dilma e do PT e sua corja de satélites.

    Curtir

  2. Impressionante o poder dos judeus, dentro e fora de Israel! Monte de gente defendendo a pretensão hegemônica do novo Estado de Israel. Sim, novo! Criado recentemente, há apenas algumas décadas! Essa região tem milhares de anos! E fica difícil definir quem é dono de que! Seria como os Incas chegarem aqui e dizerem que metade do Amazonas mais Mato Grosso lhes pertence! Porque um dia alguns habitantes seus por aqui passaram ou viveram!

    Curtir

  3. assim a UNESCO se desmascara e mostra o seu viés político, tornando-se obsoleta inútil e irrelevante. Nunca poderia ignorar a histórias de um dos povos mais antigos do planeta. Não se brinca com uma religião de milhões de pessoas.

    Curtir

  4. Augusto Kranz

    Isso é inacreditável! Os muçulmanos chegaram ali muito depois.. isso é uma campanha racista contra Israel!

    Curtir

  5. Julio Cesar Hagen

    muito justa a decisao da UNESCO, deve ser acatada de imediato.

    Curtir

  6. Alencar Laignier

    O Mundo está mudando, e o próprio Brasil, mudou seu voto, agora a favor de Israel. A influência do petróleo no mundo está cada vez menor e assim esses países árabes vão se definhar e não poderão mais dominar as ações da desgraçada ONU.

    Curtir

  7. Ser justo é ser contra Israel? Só faltava essa!!!!

    Curtir

  8. GRAÇAS A DEUS A ONU FEZ A COISA CERTA. ESSES JUDEUS SÃO O FIM, O ERRO…

    Curtir