Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O réu que tem um cliente na Lava-Jato

O advogado Edson Ribeiro chegou a ser preso por três meses acusado de planejar fuga do ex-cliente Nestor Cerveró, mas agora defende um ex-executivo da OSX

Quase um ano depois de ter sido preso, acusado de tentar atrapalhar as investigações da Lava-Jato, o criminalista Edson Ribeiro voltou a atuar como advogado na operação julgada pelo juiz Sérgio Moro. Acusado de planejar a fuga do seu ex-cliente Nestor Cerveró, Ribeiro agora representa um ex-executivo ligado a OSX, do empresário Eike Batista. A VEJA, o advogado disse que terá uma atuação “discreta”.

Em uma conversa gravada por um filho de Cerveró, no dia 4 de novembro, Ribeiro e o ex-senador Delcidio do Amaral, à época no PT, discutiam estratégias para ajudar o ex-diretor da Petrobras, que estava preso em Curitiba. Os dois chegaram a planejar uma rota de fuga para Cerveró depois que ele conseguisse um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal. Acusado de atrapalhar as investigações, o advogado foi preso no final de novembro.

Em fevereiro, o ministro Teori Zavascki, do STF, revogou a sua prisão, mas determinou que ele tem de ficar em casa à noite e nos finais de semana. Além disso, o proibiu de viajar sem autorização judicial. No final de julho, o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público contra Ribeiro.

O defensor, contudo, disse que não se sentira constrangido de ficar cara a cara com o juiz Sérgio Moro: “Não teria vergonha nenhuma em despachar com ele ou com qualquer outro juiz nesse país. Posso entrar de cabeça erguida em qualquer tribunal deste país”, afirma o advogado, que nega as acusações.

Ribeiro argumenta que a família Cerveró o traiu ao não comunicar que gravaria o encontro com o Delcídio. Ele afirmou que suas falas na conversa gravada por Bernado Cerveró, filho do seu ex-cliente, foram interpretadas de maneira errada, não passando “de um truque para impedir que ex-senador Delcídio do Amaral atrapalhasse a delação de Cerveró”. “Não queria que Delcídio e nem ninguém atrapalhasse a colaboração de Cerveró”, afirmou.

O advogado diz ainda que vai “cobrar” todos que o acusaram de participação no esquema. Os primeiros alvos serão o próprio Cerveró e sua família —  promete cobrar  16 milhões de reais que o ex-diretor lhe deve. “Cada um que me acusou vai pagar.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gilson Topfstedt

    Um pouco vergonhoso para o Jornalismo de Veja , escrever com erros de Portugues. “Advogado preso HÁ 1 ano” ??? HÁ de haver????

    Curtir

  2. Gilson, o correto é “há um ano” mesmo, do verbo haver. Indica que ocorreu no passado.

    Curtir

  3. Cadê a OAB que não vê essa excrescência?

    Curtir

  4. Flavio Martins Viana

    Só no Brasil , PILANTRA.

    Curtir