Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morre Eduardo Portella, ex-ministro dos governos JK e Figueiredo

Crítico e escritor, membro da Academia Brasileira de Letras e ocupante de cargos no alto escalão da Unesco, ele tinha 84 anos e estava internado no Rio

Eduardo Portella, ex-ministro dos governos Juscelino Kubitschek e João Figueiredo e ex-diretor da Unesco (órgão das Nações Unidas para a educação e a ciência) e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), morreu aos 84 anos nesta terça-feira, no Hospital Samaritano do Rio de Janeiro, onde estava internado – a causa da morte não foi divulgada.

Nascido em Salvador em 8 de outubro de 1921, Eduardo Mattos Portela foi membro do gabinete civil de Kubitschek, ministro da Educação no governo Figueiredo – o último antes do fim da ditadura militar – e secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro no governo de Leonel Brizola (PDT). Tornou célebre a frase “Não sou ministro, estou ministro”, em referência à transitoriedade dos cargos públicos.

Deixou o ministério após apoiar a greve dos professores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, o que lhe rendeu o apoio de intelectuais, como Alceu Amoroso Lima, que, em artigo no Jornal do Brasil, escreveu: “Caiu para cima”.

Também foi responsável por coordenar os temas de educação e cultura para a elaboração da Constituição de 1988, ligada à Presidência da República, e era desde 1981 o sexto ocupante da cadeira 27 da ABL, cujo patrono é Antônio Peregrino Maciel Monteiro.

Ele ainda foi vice-presidente (de 1988 a 1993) e presidente (de 1997 a 1999) da Conferência Mundial da Unesco e foi eleito em 2000 e reeleito em 2003 presidente do Fundo Internacional para a Promoção da Cultura do mesmo órgão. Também foi fundador e diretor das Edições Tempo Brasileiro, editora que se notabilizou pela publicação de obras dos filósofos alemães Martin Heidegger e Jürgen Habermas.

Era professor emérito permanente da Universidade Federal do Rio de Janeiro e recebeu vários títulos honoríficos, entre eles a Gran Cruz de la Orden del Mérito Civil (Madri, 2001), Medalha Rui Barbosa (1999), Grã-Cruz da Ordem Rio Branco (1979) e títulos de doutor honoris causa das universidades federais da Bahia (1983) e do Ceará (1981).

Tem mais de 20 livros publicados, entre eles O Intelectual e o Poder (1983), Vanguarda e Cultura de Massa (1979), Fundamento da Investigação Literária (1973), Literatura e Realidade Nacional (1963) e José de Anchieta, Nossos Clássicos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    NãO_ÇOU M_STF
    pTô_Em’$ D_$pTf

    Curtir

  2. ATENÇÃO , REDAÇÃO VEJA: OU EDUARDO PORTELLA TINHA 84 ANOS OU NASCEU EM 1921!OS DOIS SÃO INCOMPATÍVEIS!

    Curtir

  3. Osmar Serrragem

    Este nosso ‘Presidencialismo de Conchavão’ torna impossível, nos dias atuais, nomear um intelectual do calibre de um Eduardo Portella para o MEC. Ministerios são gordas fatias de bolo a ser negociadas na feira livre. Uma pena…

    Curtir

  4. Osmar Serrragem

    Este nosso ‘Presidencialismo de Coali $ão’ torna impossível, nos dias atuais, nomear um intelectual do calibre de um Eduardo Portella para o MEC. Ministérios hoje, são gordas fatias de bolo, a ser negociadas na feira-livre. Uma pena…

    Curtir