Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Moro amplia quebra de sigilo de Palocci para 13 anos

Juiz atendeu a pedido da força-tarefa da Lava Jato; medida abrange tempo em que ele chefiou o Ministério da Fazenda no governo Lula

O juiz federal Sérgio Moro atendeu a um pedido da força-tarefa da Operação Lava Jato e ampliou a quebra de sigilo telefônico do ex-ministro Antonio Palocci para treze anos, de janeiro de 2005 a abril deste ano. Agora, a medida abrangerá conversas da época em que ele foi ministro da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de janeiro de 2003 a março de 2006.

Anteriormente, Moro havia levantado o segredo das ligações entre janeiro e dezembro de 2010, período no qual coordenou a campanha de Dilma Rousseff à Presidência. Moro atendeu a pedido da procuradoria do Paraná, que argumentou que houve troca de mensagens sobre reuniões de executivos da Odebrecht com Palocci.

O juiz também autorizou a quebra do sigilo telefônico de Rita de Cássia dos Santos, ex-secretária de Palocci que, conforme os investigadores, sabia das agendas do ex-ministro com diretores da empreiteira.

O ex-ministro está preso desde setembro do ano passado após a deflagração da 35ª fase da Operação Lava Jato, a Omertà. A defesa de Palocci tenta revogar a prisão preventiva no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta quinta-feira, os advogados apresentaram um recurso com o objetivo de manter o julgamento do mérito do habeas corpus na Segunda Turma do STFcolegiado formado por cinco ministros que nos últimos dias libertou o pecuarista José Carlos Bumlai, o ex-tesoureiro do Partido Progressista João Cláudio Genu e o ex-ministro José Dirceu, todos presos preventivamente na Lava Jato. Após negar ontem liminar no HC de Palocci, o relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, remeteu o julgamento ao plenário da Corte. Ele foi voto vencido nas análises dos pedidos de liberdade de Bumlai, Genu e Dirceu, todas decididas por 3 votos a 2.

O ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma é réu pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em dois processos conduzidos por Moro.

(Com agência Reuters)