Moraes pede mais tempo para decidir restrição a foro privilegiado

Pedido suspende julgamento, mas ministros adiantarão seus votos. Na sessão de ontem, o relator, Luís Roberto Barroso, votou favoravelmente à restrição

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes pediu vista do processo que pode restringir o foro privilegiado de deputados federais e senadores. O pedido de vista significa que ele precisa de mais tempo para analisar o caso e leva à suspensão da decisão pelo plenário. Não há prazo para que o processo volte ao plenário da Corte. Iniciada ontem, com o voto do relator, Luís Roberto Barroso, favorável à restrição do foro, a sessão foi retomada nesta quinta-feira.

“Entendo que não é possível  analisar a questão só sob o ponto de vista ‘o foro é aqui, ou ali’. Há uma série de repercussões institucionais importantíssimas no âmbito dos três poderes e do Ministério Público. Questões relevantíssimas que foram trazidas pelo voto do ministro Luís Roberto Barroso que trazem esses reflexos que, entendo, merecem ser melhor analisados e que eu pretendo analisar cada um deles. Em virtude disso, peço vista e prometo trazer rapidamente”, afirmou Moraes.

Após o pedido de vista por Moraes, outros ministros adiantaram seus votos. Marco Aurélio Mello, Rosa Weber e a presidente da Corte, Cármen Lúcia, acompanharam o voto de Barroso por restringir o foro privilegiado. Além do voto de Moraes, ainda restam os votos dos ministros Edson Fachin, revisor da matéria, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Celso de Mello.

O caso concreto julgado pelo STF nesta quinta-feira envolve a restrição de foro privilegiado do atual prefeito de Cabo Frio (RJ), Marcos da Rocha Mendes, o Marquinho Mendes (PMDB). Ele é réu por comprar votos na eleição municipal de 2008, ano em que se reelegeu prefeito da cidade. Quando Mendes concluiu o mandato, em 2012, o caso foi remetido à primeira instância e, em 2016, passou a ser conduzido pelo STF depois que ele assumiu a cadeira do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara. Mendes, entretanto, renunciou ao mandato ao ser eleito novamente prefeito, no ano passado, e o processo voltou à segunda instância, a quem cabe processar e julgar prefeitos.

Na sessão de ontem, Luís Roberto Barroso declarou que “é tão ruim o modelo, que a eventual nomeação de alguém para um cargo que desfrute de foro é tratada como obstrução de Justiça. É quase uma humilhação ao STF. Eu penso que é preciso dar à cláusula do foro privilegiado uma interpretação restritiva e a interpretação que propus no meu despacho e reitero é de que o foro só prevaleça em fatos praticados pelo agente beneficiário do foro no cargo e em razão do cargo. Portanto, como é o caso concreto, se o fato foi praticado quando o individuo era candidato a prefeito e se o foro beneficia quem é deputado, nesse caso não se aplica o foro”.

Para o ministro Barroso, a revisão do alcance do foro por prerrogativa de função é “um interesse do país, é uma demanda da sociedade”. Ele disse que “resguardar com foro um agente público por atos que ele praticou e que não têm nada a ver com a função que o foro quer resguardar é a concessão de um privilégio”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Um advogado com dúvidas a respeito de privilégios para determinados grupos. Afinal, todos não são iguais perante a lei ?? Justifica assim a sua indicação. Com a palavra a gloriosa OAB.

    Curtir

  2. Marco Aurelio Jandelli

    Pronto, Alexandre de Moraes, indicado por temer, foro privilegiado?? Deixa quieto por enquanto.

    Curtir

  3. Wandersson batista de jesus

    Mostrou a que veio. É para isso que Temer e os tucanos colocaram essa desgraça de existência aí. O povo ainda vai aprender a lidar com essas situações de uma única forma correta. Quando isso acontecer estas situações cessarão.

    Curtir

  4. Ja ta mostrando as unhas!! Esta no STF pra que?

    Curtir

  5. ana clara Vidigal de Amorim

    Vai fazer de tudo para atrapalhar lava jato com certeza

    Curtir