Mesmo após 5 tentativas de ‘fazer chover’, nível no Sistema Cantareira cai a 19,6%

Volume na represa de Jaguari baixou para 15,32% da capacidade total; Sabesp afirma que, por ora, não haverá racionamento de água na capital paulista

Com os reservatórios no nível mais baixo desde 1974, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) contratou, na semana passada, a empresa ModClima para fazer chover em reservatórios do Sistema Cantareira. Após cinco tentativas, porém, foram registradas apenas duas precipitações – insuficientes para elevar o nível dos reservatórios do sistema, cujo volume caiu, nesta segunda-feira, a um patamar inferior aos já preocupantes 20% – 19,6%, informa a Sabesp. Só na represa de Jaguari, que integra o Sistema Canteira, o nível de armazenamento chegou a 15,32%. Apesar dos níveis preocupantes, a Sabesp afirma que, no momento, não há risco de racionamento na capital paulista.

O processo de “fazer chover” é relativamente simples: um avião solta gotículas de água na base das nuvens. As gotas ganham volume e, quando estão pesadas o suficiente, a chuva localizada acontece. Segundo a empresa, o processo faz chover de 5 a 40 milímetros. O tempo de abastecimento das nuvens dura entre 20 e 40 minutos. A ação é uma tentativa de amenizar a estiagem – desde que tiveram início as medições oficiais, nunca choveu tão pouco no Estado de São Paulo. O período de chuvas responsável por encher as represas se estende entre outubro e março.

De outubro de 2013 até agora, porém, o total de precipitações ficou muito abaixo do esperado – para se ter uma ideia, os meses de dezembro e janeiro quebraram recordes de falta de chuva. Em dezembro, choveu o equivalente a 62 milímetros, quando a média histórica para o mês é de 226 milímetros. No mês passado foi registrado o pior índice em 84 anos: 87,8 milímetros, ante uma média histórica de 260 milímetros. Já em fevereiro, o total acumulado de chuva chega aos míseros 2 milímetros em todo o sistema. Apenas 1.090 milímetros de chuvas foram registrados nas quatro represas do Sistema Cantareira – Jaguari, Cachoeira, Atibainha e Paiva Castro – em 2013. A média histórica anual é de 1.566 milímetros.

Desconto – Para incentivar a redução do consumo de água, a Sabesp anunciou que vai conceder um desconto de 30% na conta de água para quem reduzir o consumo. O benefício será oferecido apenas às pessoas que tiverem uma diminuição do gasto de pelo menos 20% em relação à média do ano anterior. O incentivo valerá para as contas dos meses de referência de fevereiro a agosto deste ano – essas faturas chegarão aos consumidores entre março e setembro

Com o incentivo, portanto, a conta de água diminuirá em mais de 30%, já que o desconto será aplicado em um valor de conta menor do que a média, uma vez que a redução no consumo resultará em uma fatura mais barata.

O desconto valerá para todas as residências, comércios e indústrias abastecidos por esse sistema – o que inclui toda a Zona Norte e o Centro de São Paulo, partes das zonas Leste e Oeste da capital, Barueri, Caieiras, Carapicuíba, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapevi, Jandira, Osasco e Santana de Parnaíba.