MEC pagou youtubers para defender Novo Ensino Médio, diz jornal

Dupla de youtubers recebeu 65 mil reais e fez vídeo elogiando pontos polêmicos da proposta, sancionada nesta semana pelo presidente Michel Temer

O Ministério da Educação (MEC) pagou 65 mil reais para dois youtubers defenderem em um vídeo a Reforma do Ensino Médio, sancionada pelo presidente Michel Temer. Produzido em outubro, o vídeo, com 1,7 milhão de visualizações, não deixava claro que o conteúdo era uma uma campanha publicitária. As informações são da edição desta sexta-feira do jornal Folha de S.Paulo.

Sob aparência de espontaneidade, o vídeo reforça os principais pontos do Novo Ensino Médio, como o aumento da carga horária, e rebate as principais críticas, de que a nova fórmula vai excluir disciplinas e prejudicar o aprendizado básico como um todo, uma vez que metade do segundo grau será para o estudo de conteúdos específicos da área em que o aluno se interessa. “Você que quer trabalhar com História, não vai querer ficar perdendo tempo com célula”, diz no vídeo o youtuber Lukas Marques, um dos apresentadores do canal “Você Sabia?”.

Além de não informar ao público que ele e o colega, Daniel Miolo, receberam verbas públicas para produzirem o conteúdo, Marques ainda encerrava o vídeo justificando de outra forma a escolha do tema. “A gente achou um tema bastante interessante, estava uma galera discutindo isso nas rede sociais e a gente pensou ‘deixa com nóis, que nós explica’ [sic]”. Associado à mesma produtora que a dupla, a Digital Stars, outro youtuber, Pyong Lee, também foi pago pelo MEC para falar sobre o tema em um vídeo, segundo o jornal.

Procurado pelo site de VEJA, o Ministério da Educação não havia se manifestado até a publicação desta reportagem. A produtora Digital Stars, responsável pelos canais “Você Sabia?” e Pyong Lee, também não respondeu o pedido de entrevista.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Michel Carvalho

    E quando um governo paga jornalistas ou revistas aí tudo certo, né?

    Curtir

  2. Raphael O. Chaves

    É ruim perder a teta .

    Curtir

  3. Mauricio Reppetto

    Ah mas quando eram os governos progressistas de Lulla e Dilma, isto não era assim um problema…

    Curtir

  4. hildo molina

    o pt tem um monte de “robos” para defender o ladrão mor, porque não?

    Curtir

  5. Mauro Carvalho Barbosa

    Devia era cortar as verbas dessas revistas escroques que só vivem de mamar em verbas públicas como essa aqui.

    Curtir

  6. Oswald de Andrade

    Michel Carvalho, anuncios de revista deixam claro que sao anúncio.. quando um jornalista escreve uma notícia que é uma paga, é um péssimo jornalista.. neste caso podemos ir até no procon

    Curtir

  7. Pagou NÃO. CORROMPEU bem como é o NORMAL desse GOVERLIXO e seus POLÍTICOS LADRÕES E CORRUPTOS…

    Curtir

  8. Marcos Antonio

    Nossa, como esse jornal medíocre descobriu rápido. Nos governos do PT ele não percebeu nada. Qual será o motivo?

    Curtir

  9. Marcos Ronan Ferreira

    Se tivesse mentindo sobre o projeto seria muito ruim – não acho nada errado – foi mais barato e eficiente pro governo do que a mídia tradicional!

    Curtir

  10. Michel Carvalho

    Oswald, a maioria dos estudantes não lê jornal, mas acompanha vídeos no youtube. Faz muito mais sentido contrata-los do que anunciar na Veja ou na Carta Capital. Se não concordassem com o teor da MP não deveriam ter participado. Mas é bom que se divulgie que receberam, assim também em relação aos jornalistas que recebem para defender o governo, o que faziam PHA, Nassif, o monte de gente que recebia dinheiro da Rouanet e etc.

    Curtir

  11. Michel Carvalho

    (Pelo menos assim quando alguém ler manifestação desses jornalistas e afins saberá que, se concordam com o que o governo diz, também recebem dele.

    Curtir

  12. Carlos Gomes

    Polêmica ou não, a reforma está sendo feita depois de décadas de atrazo. E tudo que for feito não pode piorar mais do que está.

    Curtir

  13. Os governantes desse partido sempre foram excludentes, para eles é normal tudo isso.

    Curtir