Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mangueira e Portela encerram desfiles do grupo especial do Rio

União da Ilha abriu a noite seguida pela São Clemente

As campeãs Mangueira e Portela encerram nesta segunda-feira (27) a segunda noite de desfiles do grupo especial de escolas de samba do Rio de Janeiro. Na primeira noite, se destacaram Beija-Flor e Salgueiro.

A União da Ilha e seu enredo sobre o tempo ficaram responsáveis pela abertura, às 22h, em uma perspectiva trazida por lendas angolanas. A escola vai mostrar o poder transformador do tempo e sua regência sobre a “árvore da vida”, criando, como diz a sinopse do enredo, “a cronologia entre as raízes do passado, as folhas do presente e os frutos do futuro”.

O segundo desfile, às 23h25, é o da São Clemente, escola que escolheu o curioso enredo Onisuáquimalipanse, palavra inventada para aportuguesar a frase “envergonhe-se quem pensar mal disso”, em francês. Ambientado na França, de Luís XV, o enredo vai contar uma história de palácios estravagantes, vaidade e corrupção.

A terceira escola da noite é a Mocidade de Padre Miguel, que vai ao clássico As Mil e uma Noites resgatar o conto de Sherazade para falar sobre o Marrocos. Palácios, hábitos e religião devem entrar no enredo, que vai lembrar também a imigração árabe para o Brasil.

A Unidos da Tijuca vai unir o saxofonista Louis Armstrong e o compositor Pixinguinha, em uma homenagem à importância dos dois para a música do Continente Americano. O enredo cria a partir de um encontro real entre os gênios, ocorrido em 1957, no Palácio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro. O desfile está marcado para 2h15.

Logo depois, é a Portela que desfila na Marquês de Sapucaí, às 3h40. A escola de Madureira vai falar do papel central dos rios na vida humana, desde a formação das civilizações, o comércio e a urbanização. A fé, os mitos e a necessidade de preservação dos rios também estão na programação da escola.

Campeã no ano passado, a Mangueira entra com peso na avenida, às 4h50, e pede intercessão aos santos para ganhar mais um carnaval. A escola vai levar para a Sapucaí os santos que marcam a fé brasileira, sejam eles católicos ou de matriz africana.

(Com Agência Brasil)