Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lula agora ‘largou’ o Sarney, diz Virgílio

Por Carol Pires (Agência Estado)

Brasília – O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse hoje que a mudança de tom do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em relação à crise do Senado era esperada, uma vez que, segundo o senador tucano, o presidente já havia abandonado outros aliados que passaram por problemas parecidos. “Lula já tinha largado ao mar o Renan Calheiros (senador do PMDB-AL), quando ele teve que ficar pedindo voto no plenário para não ser cassado, com uma humildade que já perdeu. Largou o Romero Jucá (senador do PMDB-RR) quando ele era ministro da Previdência e enfrentou denúncias. E agora largou o Sarney”, disse Virgílio, em referência à declaração dada por Lula ontem, na qual ele afirmou que “quem tem de decidir se Sarney tem de ficar na presidência do Senado é o Senado”, e não ele.

“A Lula só interessa duas coisas: que a sucessão do Sarney na presidência do Senado não seja inóspita ao governo, que não atrapalhe o poder de governança dele e a garantia de que o PMDB não irá deixar a base se sustentação. Como na sucessão do Sarney eles (governo) podem dar um jeito, e o PMDB não é de abandonar governo, ele (Lula) largou o Sarney”, afirmou Virgílio.

O presidente do Senado é acusado de prática de nepotismo até a suspeita de desvio de recursos referentes a um patrocínio da Petrobras para a fundação que leva o seu nome, passando pelo favorecimento de seu neto na operação de um esquema de crédito consignado na Casa.

LUPA

Ao longo da semana, o presidente Lula falou em público sobre José Sarney, crise no Senado, crise em Honduras, eleição em São Paulo, sucessão presidencial, crise econômica mundial, mecanismos de fiscalização de obras, déficit público, indústria automobilística, bases americanas na Colômbia, desemprego, comportamento do empresariado, carga tributária, PAC 1 e PAC 2. Fora o resto.

Lula tem ao lado todo dia gente pronta para dar conselhos sobre o que vai falar.

Falta alguém que o aconselhe a não falar todo dia.

Por Augusto Nunes