Justiça afasta presidente de assembleia do AP

Como mostrou o site de VEJA, deputado Moisés de Souza autorizou contratos superfaturados de aluguel de veículos

O presidente da Assembleia Legislativa do Amapá, Moisés de Souza (PSC), foi afastado do cargo nesta terça-feira por decisão judicial. Como mostrou o site de VEJA em 7 de junho, ele é acusado de superfaturar contratos de aluguel de veículos.

A decisão, proferida nesta terça-feira, atende a um pedido do Ministério Público Estadual. A medida suspende ainda o deputado estadual Edinho Duarte (PP), 1º Secretário da Mesa Diretora da assembleia. Também foram afastados do cargo dez servidores da casa legislativa envolvidos nas contratações fraudulentas e um funcionário do Banco do Brasil acusado de facilitar os saques financeiros em uma conta do grupo.

Na mesma decisão, a juíza Sueli Pini negou o pedido de prisão preventiva apresentado pelo Ministério Público contra os dois deputados e dos outros acusados de integrar o esquema.

A parceria da Assembleia Legislativa com a Cootram, cooperativa que aluga carros, rendeu à companhia, ao longo de 2011, o estratosférico valor de 4,3 milhões de reais – suficiente para comprar três veículos de 60 000 reais para cada um dos 24 deputados estaduais.

O MP questiona a contratação emergencial injustificada, a prorrogação ilegal do contrato e os gastos sem comprovação. A Cootram é ligada a Júnior Góes, irmão de Waldez Góes – ex-governador do estado, preso em 2010 por corrupção.