Justiça aceita denúncia contra investigados na Operação Hashtag

Oito acusados pelo Ministério Público Federal são os primeiros réus enquadrados na lei antiterrorismo no Brasil

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva aceitou nesta segunda-feira a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra oito suspeitos de planejar atentados terroristas no Brasil durante a Olimpíada do Rio de Janeiro, em agosto. Os oito acusados, que agora passam à condição de réus, foram presos na Operação Hashtag, em julho. Além deles, outros seis, que ganharam liberdade condicional na sexta-feira passada, também haviam sido presos. Esta é a primeira ação penal no Brasil originada da lei antiterrorismo, sancionada em março deste ano.

Viraram réus e serão julgados pelos crimes de promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores Leonid El Kadre de Melo, Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, Israel Pedra Mesquita, Alisson Luan de Oliveira, Oziris Lundi, Luis Gustavo de Oliveira e Hortêncio Yoshitake.

Fernando Pinheiro Cabral, é o único que não responderá por corrupção de menores. Considerado um dos líderes do grupo, El Kadre também é acusado de recrutamento para organização terrorista.

LEIA TAMBÉM:
Juiz decreta prisão preventiva de oito presos na Operação Hashtag
Tornozeleira quebra e preso da Hashtag fica sem monitoramento

Na sexta-feira passada, além de oferecer a denúncia, o MPF havia pedido a prisão preventiva dos acusados, que foi determinada pelo juiz Marcos Josegrei. Os oito réus, que não tem mais prazo para deixar a prisão, estão presos na penitenciária federal de Campo Grande (MS).

Ao decidir tornar réus os acusados, o magistrado escreveu no despacho que “o conteúdo obtido a partir do afastamento judicial dos sigilos de dados, telemáticos e telefônicos se situa entre a exaltação e celebração de atos terroristas já realizados em todo mundo, passando pela postagem de vídeos e fotos de execuções públicas de pessoas pelo Estado Islâmico, chegando a orientações de como realizar o juramento ao líder do grupo (‘bayat’), e atingindo a discussão sobre possíveis alvos de ataques que eles poderiam realizar no Brasil (estrangeiros durante os Jogos Olímpicos, homossexuais, muçulmanos xiitas e judeus), com a orientação sobre a fabricação de bombas caseiras, a utilização de armas brancas e aquisição de armas de fogo para conseguir esse objetivo”.