Justiça aceita 1ª denúncia da Greenfield que apura propina ao PT

Quatorze pessoas viraram rés, entre elas o ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto e ex-dirigentes da Engevix e do fundo de pensão da Caixa

A Justiça Federal de Brasília aceitou a primeira denúncia da Operação Greenfield contra quatorze pessoas por envolvimento em um esquema de gestão fraudulenta e pagamento de propina no fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal — Funcef. Eles devem responder pelos crimes de lavagem de dinheiro, infrações contra o sistema financeiro nacional e tráfico de influência.

Entre os réus, estão o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto; os ex-dirigentes da Engevix José Antunes Sobrinho, Gerson de Mello Almada e Cristiano Kok; o lobista Milton Pascowitch; e os ex-diretores da Funcef Guilherme Narciso de Lacerda, Demosthenes Marques, Luiz Philippe Peres Torelly, Carlos Alberto Caser, entre outros.

O fundo teria investido dinheiro dos servidores  em negócios da empreiteira Engevix. Os aportes não vingaram e geraram um prejuízo de pelo menos 402 milhões de reais. Os dirigentes aprovaram os aportes sem a realização de pareceres técnicos e por meio de documentos fraudulentos que superestimaram o retorno do investimento, conforme a denúncia do Ministério Público Federal de Brasília.

Ainda segundo a procuradoria, o lobista Milton Pascowitch pediu e recebeu 5,5 milhões de reais de propina para influenciar os dirigentes da Funcef a viabilizar os aportes. O dinheiro seria destinado a João Vaccari, que, por sua, vez o repassaria ao PT e a “pessoas ligadas a essa agremiação”. Essas informações foram relatadas de forma espontânea à procuradoria pelos dirigentes da Engevix Gerson de Mello Almada, Cristiano Kok e José Antunes Sobrinho — eles “foram ouvidos como colaboradores informais sem acordo de colaboração premiada”, diz o texto.

“Está demonstrada até agora a plausibilidade das alegações contidas na denúncia em face da circunstanciada exposição dos fatos tidos por criminosos e as descrições das condutas em correspondência aos documentos constantes do inquérito policial (…), havendo prova da materialidade e indícios da autoria delitiva”, escreveu o juiz Vallisney de Souza Oliveira, titular da 10ª Vara Federal de Brasília.

O despacho data da última quinta-feira, dia 24 de maio, mas só foi divulgado nesta segunda-feira. A denúncia do MPF foi apresentada em 17 de maio, um dia antes da prisão do procurador Ângelo Goulart Vilela, que compunha a equipe da Greenfield, na Operação Patmos, deflagrada com base na delação de executivos da holding J&F, que controla a empresa de processamento de proteína animal JBS e a produtora de celulosa Eldorado. Esta última também é investigada na Greenfield, mas não faz parte desta primeira denúncia. 

O ex-tesoureiro João Vaccari, o ex-dirigente da Engevix Gerson Almada e o lobista Milton Pascowitch já foram condenados na Operação Lava Jato em uma mesma ação penal na qual são acusados de pagar e receber propina por favores em contratos da Petrobras. Os empreiteiros Cristiano Kok e José Antunes Sobrinho também eram réus no mesmo processo, mas foram absolvidos pelo juiz Sergio Moro.

Em nota, A Funcef destacou que está “colaborando de forma pró-ativa com o Ministério Público, investigando e produzindo provas visando a total elucidação dos fatos. Importante reiterar que a Fundação atua como assistente de acusação do MPF”. O fundo também afirmou que criou sistemas para melhorar a transparência da entidade e que repudia, “de forma veemente”, qualquer prática de corrupção.

Também em nota, a Engevix disse que “demonstrará na Justiça, mais uma vez, que nada de errado houve nesse investimento” e que a empresa “é reconhecida no Brasil e internacionalmente pelo seu padrão de qualidade na área de projetos de energia, em que atua há quase 50 anos”.

A defesa de João Vaccari e de Milton Pascowitch ainda não se manifestaram.

Confira a lista completa de réus: 

Demósthenes Marques, ex-diretor de Investimentos da Funcef

Guilherme Narciso de Lacerda, ex-diretor-presidente da Funcef

Luiz Philippe Peres Torelly, ex-diretor de Participações Societárias e Imobiliárias da Funcef

Antônio Bráulio de Carvalho, ex-diretor de Planejamento e Controladoria da Funcef

Geraldo Aparecido da Silva, ex-diretor de Benefícios, em exercício, da Funcef

Sérgio Francisco da Silva, ex-diretor de Administração da Funcef

Carlos Alberto Caser, ex-presidente da Diretoria Executiva da Funcef

José Carlos Alonso Gonçalves, ex-diretor de Benefícios da Funcef

Roberto Carlos Madoglio, ex-superintendente Nacional de Fundos de Investimentos Especiais da Caixa Econômica Federal

José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix /Desenvix

Gerson de Mello Almada, ex-vice-Presidente da Engevix

Cristiano Kok, sócio da Engevix /Desenvix

Milton Pascowitch, lobista

João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Iório

    Sera que a alma mais honesta desse pais, vai continuar sendo o unico inocente no meio de tal organizacao criminosa?

    Curtir

  2. Inácio Nóbrega

    E ainda tem economiários que defendem esses ladrões.É muita cara de pau desses alienados imbecis, pois além de roubados ficam ao lado dos petralhas ladrões, que usurparam o dinheiro de suas aposentadorias.

    Curtir

  3. Inácio Nóbrega

    Digo: cara de pau.

    Curtir