Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

JBS fez outra venda de ações antes de delações virem à tona

Desde o dia 16 de maio até o final do mês foram vendidos R$ 155 milhões em papéis

Os acionistas controladores da JBS — a FB Participações e o Banco Original — promoveram uma venda milionária de ações da companhia em maio, antes de o conteúdo das delações premiadas de Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud vir a público.

O montante negociado chegou a R$ 155,288 milhões e envolveu cerca de 18,6 milhões de papéis. As vendas ocorreram nos dias 16, 17, 22, 29, 30 e 31 de maio, por intermédio da corretora Bradesco. Já os vídeos com o teor das delações circularam a partir de 19 de maio.

A JBS envolveu-se em um episódio semelhante no mercado cambial. Foi acusada de lucrar milhões de dólares nas horas subsequentes ao surgimento das primeiras informações sobre o encontro entre o presidente Michel Temer e Joesley Batista no Palácio do Jaburu. Nas semanas anteriores, a JBS havia usado cerca de 1 bilhão de reais para adquirir dólares. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado de capitais, abriu investigação sobre o caso.

Na última sexta-feira (9), foi a vez de a Polícia Federal deflagrou uma nova etapa das investigações que envolvem a JBS. O novo inquérito foi aberto por requisição do procurador-geral Rodrigo Janot para apurar ganhos extraordinários dos irmãos Joesley e Wesley Batista a partir de informações privilegiadas.

Ações

O histórico de vendas de ações da JBS indica que no dia 16 foram vendidas 984.900 ações, ao preço de R$ 10,11. Nesse pregão, o papel recuou 8,62%, a R$ 9,86. No dia seguinte, os controladores se desfizeram de 3.635.000 ações, ao preço de R$ 9,66. A desvalorização ao fim do pregão foi de 3,65%, a R$ 9,75. Mais tarde, nesse mesmo dia, notícias sobre a delação de Joesley e Wesley Batista vieram à tona, depois que a bolsa de valores fechou.

Já em 22 de maio, foram vendidas 682.600 ações, à cotação de R$ 7,81. O declínio do papel nesse pregão foi de 31,34%, a R$ 5,98. Em 29 de maio, eles venderam 7.004.100 ações, ao preço de R$ 7,86. O papel encerrou a sessão com queda leve de 0,13%, a R$ 7,70. Em 30 de maio, foram vendidas 2.220.000 ações, à cotação de R$ 7,64. O papel caiu 3,90%, a R$ 7,4.

Por fim, em 31 de maio, os controladores se desfizeram de 4.109.100 ações, à cotação de R$ 8, sendo que o papel subiu 9,05%, a R$ 8,07.

Procurada, a JBS informou que “todas as operações de compra e venda de moedas, ações e títulos realizadas pela J&F, suas subsidiárias e seus controladores seguem as leis que regulamentam tais transações”.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Esse acordo pornográfico tem que ser cancelado. Não é possível que os caras assaltam os cofres e vão viver no bem bom lá fora como se nada tivesse acontecido. Ministério Público e Ministro Fachin, vocês tem obrigação de vir a público explicar porque livraram os bandidos da cadeia.

    Curtir

  2. Fábio Luís Inaimo

    FOOOOORA FACHIN !!!!! FOOORA JANOT !!!!! FOOOORA PETRALHAS !!!!

    Curtir

  3. Caio Marcio de Souza Ferreira

    Foram colocar um petistão para fazer acordo com a quadrilha da JBS !

    Curtir