Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Janot emite parecer contra pedido de auditoria do PSDB

Para o procurador-geral da República, tucanos agem de forma 'temerária' ao questionar o processo eleitoral com base em denúncias nas redes sociais

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, emitiu nesta segunda-feira parecer contrário ao pedido de auditoria das eleições solicitado pelo PSDB ao Tribunal Superior Eleitoral. Janot, que é também procurador-geral Eleitoral, considerou o pedido uma extravagância, sem base legal e o classificou como “temerário”. Segundo ele, ao pedir a auditoria os tucanos criam risco de uma situação de instabilidade.

Nesta terça-feira, o presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, deve julgar o pedido de auditoria. Toffoli pode tomar uma decisão individual sobre a requisição ou remeter o caso para o plenário da corte.

Leia mais:

PSDB quer auditoria no resultado da eleição presidencial

Tendência no TSE é rejeitar pedido de auditoria do PSDB

Na ação levada à Justiça Eleitoral, o PSDB pede a verificação dos sistemas de votação e de totalização dos votos “para dissipar quaisquer dúvidas” dos eleitores. Segundo o partido, a auditoria é motivada por uma série de denúncias e desconfianças levantadas por parte da população após o segundo turno, quando Dilma Rousseff (PT) derrotou o tucano Aécio Neves por uma diferença de três pontos. O partido não pede a recontagem dos votos.

Redes sociais – Em seu parecer enviado ao TSE, Janot considera que o pedido do PSDB “não tem lastro em um único indício de fraude”. “O requerimento é, pois, temerário, pois visa a promover gravíssimo procedimento de auditoria sem qualquer elemento concreto que o justifique, baseando-se exclusivamente em especulações sem seriedade efetuadas em redes sociais”, escreveu o procurador.

Reinaldo Azevedo: Em parecer, Janot criminaliza parte do eleitorado brasileiro

De acordo com Janot, o PSDB age de forma “imprudente” ao questionar a credibilidade do processo eleitoral a partir de denúncias feitas na internet. “As redes sociais foram transformadas em local propício para a transmissão do descontentamento de parte das pessoas com o resultado das eleições de 2014, o que muitas vezes resulta em comentários desairosos, ou até mesmo criminosos, circunstância alimentada pelo anonimato de seus usuários”, avaliou o procurador-geral.

(Com Estadão Conteúdo)