Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Janot pede para ouvir Temer e diz que ele admitiu diálogo secreto

Procurador-geral da República também pediu celeridade para colher os depoimentos do presidente, do senador Aécio Neves e do deputado Rodrigo Loures

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu autorização e celeridade ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para colher o depoimento do presidente da República, Michel Temer (PMDB), do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) no curso do inquérito aberto contra os três com base na delação da JBS.

Janot afirma que, por haver investigados presos — Andrea Neves e Frederico Pacheco de Medeiros, irmã e primo de Aécio, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) —, o prazo para a conclusão da investigação por parte da Polícia Federal e da própria apresentação da denúncia pela Procuradoria-Geral da República (PGR) deve ser mais curto. Pelos cálculos do procurador, o inquérito deve ser concluído em dez dias e a denúncia, apresentada em cinco. Em relação ao depoimento de Temer, o procurador-geral disse no pedido enviado a Fachin que a oitiva deve acontecer “nos moldes a serem definidos por Vossa Excelência”.

No texto, Janot ainda afirma que o presidente fez uma “confissão espontânea” durante os pronunciamentos oficiais feitos após o escândalo vir à tona.

“Ocorre que, em que pese Michel Temer alegar ilicitude da gravação e questionar a integridade técnica desta, cumpre ressaltar que, em pronunciamentos recentes, o presidente da República não negou o encontro nem diálogo noturno e secreto com o colaborador Joesley Batista, tampouco nega que o colaborador tenha lhe confessado fatos criminosos graves, o que demandaria, no mínimo, comunicação de tais crimes às autoridades competentes”, escreveu o procurador.

Além da oitiva dos investigados, o procurador destacou a necessidade de analisar o material apreendido na Operação Patmos, deflagrada no dia 18 de maio. Outra pendência no inquérito é a conclusão da perícia dos áudios das conversas gravadas pelos delatores da JBS, entre elas a do empresário Joesley Batista com Temer.

Gravações

Em defesa do uso das gravações no inquérito, Janot comparou o caso de Temer com o os diálogos interceptados entre a então presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em março de 2016, quando os dois petistas discutiam a nomeação de Lula para o cargo de ministro da Casa Civil. Ele lembrou do posicionamento do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que decidiu impedir Lula de assumir o cargo. Na ocasião, Mendes argumentou que, ao não negar o teor do áudio em pronunciamentos, Dilma admitiu “a existência da conversa e da autenticidade do conteúdo da gravação”.

(Com Estadão Conteúdo) 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Não existe alguém nessa república que possa colocar esse senhor em seu devido lugar não?

    Curtir

  2. Ana Cantareli

    Qualquer Criança sabe q “cx2″e caixa dois pq tanto mistério….falando q e uma sigla pensam que o povo e idiota são LADRÃO MESMO!!!!

    Curtir