Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Imposto sindical pagou multa de Delúbio, diz MP

Entidade filiada à CUT usou CPFs e contas bancárias de associados para quitar o débito

O Sindicato dos Professores de Goiás (Sintego) lançou mão de recursos do imposto sindical para pagar parte da multa imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no processo do mensalão, ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. O caso está sob investigação do Ministério Público estadual e tem como base depoimentos de ex-funcionários da entidade e dos próprios docentes. O esquema teria funcionado da seguinte forma: a presidência do Sintego usou CPFs e contas bancárias de seus associados para contribuir com a “vaquinha” criada por Delúbio a fim de quitar a multa imposta pelo STF, de 466.888 reais. O dinheiro doado não saiu dos bolsos de cada associado, mas da parcela que o sindicato recebia a título de imposto sindical. O Sintego é filiado à CUT, onde Delúbio trabalhou antes e depois de ser condenado pelo Supremo.

Diz a promotora Villis Marra: “Legalmente, o sindicato não poderia pagar vaquinha com dinheiro do sindicato. Essas contribuições são consideradas parafiscais e há todo respaldo de serem investigadas. Os gestores podem responder por improbidade. O gasto ilegal pode ser caracterizado como crime. É dinheiro de contribuição obrigatória para tratar do interesse dos sindicalizados e não meia dúzia de pessoas do partido”. Ex-secretária da presidência do Sintego, Eunice Nogueira Marques disse em depoimento ao MP que a então presidente da entidade, Iêda Leal, pediu a ela que fosse a uma agência da Caixa Econômica Federal, no setor Coimbra, em Goiânia, para realizar depósitos em benefício de Delúbio. Para cumprir a tarefa, Eunice recebeu de sua ex-chefe envelopes com valores específicos, cada um deles associados a um nome e um CPF de um dos diretores do sindicato. A promotoria investiga crimes de peculato, associação criminosa e falsidade ideológica.

Clique para conferir trecho do depoimento de Eva Assis

Clique para conferir trecho do depoimento de Eunice Nogueira

Já a professora Eva Assis contou ao MP que o comando do Sintego pediu CPFs de seus associados em 2013, ano em que Delúbio começou a cumprir sua pena por corrupção. Nas conversas, a então presidente do sindicato dizia que ninguém precisaria doar dinheiro, mas apenas fornecer seus dados para acobertar o uso do imposto sindical. Já a professora Teresinha Barbosa Bernardes confessou ter recebido dinheiro das mãos da ex-presidente do sindicato para transferir o montante para a conta destinada a Delúbio. Segundo os professores ouvidos pelo MP, os valores repassados a Delúbio variavam de 1.000 a 2.000 reais. Ao MP, Iêda e Maria Euzébia confirmaram ter participado da vaquinha em favor de Delúbio, mas negaram ter usado o imposto sindical para tanto. O Sintego é filiado à CUT. Em 2013, ao cumprir pena no semiaberto, Delúbio voltou a trabalhar na CUT, onde iniciou sua carreira sindical.

A promotora Villis Marra também investiga a possibilidade de o sindicato ter repassado recursos para Dilma Rousseff, com base em inquérito da Polícia Federal no qual o delegado Flávio Leite Ribeiro faz referência a “situação semelhante” da arrecadação da vaquinha para a ex-presidente. A VEJA, Delúbio Soares disse que não vai se pronunciar.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Imposto sindical nunca foi para o bem do trabalhador, só serviu para financiar partidos de esquerda, pagar revolucionários profissionais com mortadela (MST, MTST, Black Blocs, etc), pagar parasitas sindicalistas para deflagar ou acabar com greves, realizar manifestações a mando do partido e etc.

    Curtir

  2. news da hora

    As forças tarefas federais tem que chegar nos desvios bilionários , destes sindicatos pelegos , comandos por Petralhas e o líder da quadrilha Lula .

    Curtir

  3. Manoel da Silva Filho

    É pra isso que serve o imposto sindical, para enriquecer os donos do sindicato. Por isso tem que acabar.

    Curtir

  4. edmarcos costa

    Nojo !

    Curtir

  5. Carlos Alberto Vasconcelos Ferreira

    Só os políticos brasileiros não sabem que imposto sindical no Brasil não se reverte em benefícios para o trabalhador. Mas o povo sabe.

    Curtir

  6. Esses comunistas não se submetem às leis. O Imposto Sindical precisa acabar…

    Curtir

  7. Fernando Araujo

    Por essas e outras tem que acabar com a obrigatoriedade do imposto sindical, para parar com o financiamento dessas quadrilhas que enriquecem usando o dinheiro extorquido à força dos trabalhadores.

    Curtir