Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grávida que estava desaparecida é encontrada no interior de SP

A servidora pública Kelly Cristina de Arruda Martins, de 37 anos, foi encontrada sob uma marquise em Campinas. Ela está grávida de oito meses

A servidora pública Kelly Cristina de Arruda Martins, de 37 anos, que desapareceu no último dia 30, grávida de oito meses, foi encontrada nesta segunda-feira com vida em Campinas, no interior de São Paulo. Neste momento, Kelly está prestando depoimento no 41º DP (Vila Rica), na Zona Leste de São Paulo. Ela não pôde ainda falar com a família.

Kelly foi localizada em um apartamento que havia alugado em Campinas, no interior de São Paulo, depois de a polícia rastrear sua movimentação bancária. Ela vestia a mesma roupa de quando saiu de casa. Ainda não há informações sobre a gravidez.

Sandra Regina Bueno de Arruda, de 57 anos, mãe de Kelly, está na delegacia aguardando o término do depoimento. Ela só chora e não conseguiu falar com a filha ainda.

Entenda o caso

A jovem desapareceu depois de chamar um carro do Uber e pedir que a levasse até a estação de metrô Penha. De lá, ela iria de trem até a estação Vila Madalena, onde havia combinado de se encontrar com uma amiga para que participassem de uma pesquisa de mercado sobre uma marca de perfumes. Pela participação no trabalho seria remunerada em 150 reais. Ela não chegou ao local combinado com a amiga e também não voltou para casa.

Na tarde de sábado seria realizada uma festa de chá de bebê na casa de uma das tias de Kelly. As amigas prepararam as lembrancinhas do chá, encomendaram doces e salgados, contrataram uma decoradora. A festa não aconteceu, pois Kelly havia desaparecido na noite anterior.

Leia também:
Grávida desaparecida desembarcou do carro da Uber
Polícia analisa imagens do metrô em caso de grávida desaparecida

Na noite de sexta-feira, a família e os amigos se mobilizaram ligando para Polícia Militar, Bombeiros, Instituto Médico Legal e hospitais públicos e privados para tentar localizar Kelly, sem sucesso. No sábado pela manhã, a família registrou um boletim de ocorrência no 41º DP (Vila Rica), informando o desaparecimento.

Quatro dias depois, a polícia confirmou que Kelly havia desembarcado do Uber na rua de trás do Shopping Tatuapé, em seguida entrou em uma loja de departamentos para pagar uma conta e algum tempo depois voltou ao metrô, onde embarcou sentido Sé. Depois disso a polícia não tinha mais dados, ainda analisava as imagens para tentar descobrir o local do desembarque.

Kelly foi casada por quinze anos e ficou viúva em janeiro deste ano, após o marido reagir a uma suposta tentativa de assalto. Ela teria descoberto a gravidez duas semanas depois da perda. Segundo Sandra, o marido de Kelly era presidiário e estava solto por causa do indulto de Natal e Ano-Novo quando foi assassinado.

Segundo a mãe, apesar da tristeza pela morte do marido, a gravidez a fez ficar feliz novamente. Kelly tem uma outra filha, de 11 anos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Que boa notícia para a família.

    Curtir

  2. Vinicius Martins Cochut

    da onde vcs tiraram isso “amigos próximos disseram..”… que mentira é essa? nós nem conseguimos contato com ela no primeiro momento, veja..vc´s já foram melhores hein… eu como familiar, desminto isso

    Curtir

  3. Ivanilde Magnani Peixoto

    Pobrezinha! Que Deus a ajude e proteja!

    Curtir

  4. marcos mouta

    Graças a Deus!……..

    Curtir

  5. Juliana Antunes Cardoso

    Só acho interessante que, essa Veja.com adora uma polêmica e uma mentira, pois antes todos os títulos dessa reportagem(se é que se pode chamar assim), diziam “grávida que entrou no UBER está desaparecida”, motorista do UBER que grávida chamou e desapareceu presta depoimento”. Só isso se lia aqui, agora meus queridos, vocês devem fazer matérias verídicas sem insinuar as coisas, pois isso gera PROCESSO! Ainda bem que ela está a salvo, e que o coitado do motorista do UBER continue ganhando seu pão!

    Curtir

  6. Mark Brasilia

    Toda esta história é muito estranha. Agora, referir-se a uma mulher de 37 anos, mãe de filha de 11 anos de idade, como “a jovem” é uma grande forçada de barra. De qualquer forma, merce nossa solidariedade e que ela e seu futuro bebe estejam fisicamente bem.

    Curtir