Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo ataca representante da ONU por comentário sobre corrupção

Maria Nazareth, representante da ONU no Brasil, classificou as declarações de Zeid Al Hussein como 'injustas e injustificadas'

O governo de Michel Temer (PMDB) fez um duro e raro ataque contra o mais alto representante da ONU para Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, sugerindo até mesmo que ele teria se baseado em “desinformação”. Na segunda-feira, o alto representante da ONU disse que o “escândalo” de corrupção no Brasil revela como o problema está profundamente enraizado em “todos os níveis de governo” e ameaça a democracia.

“Não podemos, em especial, deixar que desinformação nos leve a falsas conclusões”, alertou a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, nesta terça-feira. “Discordamos fortemente do comentário apressado, injustificado e injusto que ele (Zeid) fez sobre o Brasil em seu discurso circulado ontem”, afirmou.

O Brasil foi um dos 40 países citados por Zeid ao abrir os trabalhos do Conselho de Direitos Humanos da ONU por conta de diversas violações. A menção ao Brasil foi feita explicitamente no contexto da corrupção e seus impactos.

Ao responder, a embaixadora garantiu que o Brasil está “seriamente engajado em uma luta contra a corrupção que deixa evidente, para que todos vejam, não apenas nosso apreço à Justiça e ao estado de direito, mas também ao fortalecimento de nossas instituições democráticas e ordem constitucional”.

Nazareth disse ainda que o país está “engajado em discussões” e que os processos da ONU devem ser embasados em “diálogos construtivos” e em soluções sensatas.

“A eficiência desse órgão não depende apenas de seu valor intrínseco, mas também da adequação de suas decisões”, afirmou.

Citando Zeid, ela disse ainda que, se a história for um guia, a era do medo e perplexidade pode gerar “divisão e rejeição” entre a comunidade internacional. “Contra essa onda, reitero o compromisso do Brasil em promover uma ordem mundial multilateral, equitativa e baseada em regras, onde a proteção e promoção de direitos humanos são salvaguardas”, disse.

Ao circular seu discurso na segunda-feira (11), Zeid apontou que “a corrupção viola o direito de milhões de pessoas pelo mundo, ao roubar deles o que deveria ser um bem comum e impedindo direitos fundamentais como saúde, educação ou acesso à Justiça”.

Zeid fez menções claras a desvio de verbas em empresas estatais, inclusive escândalos envolvendo funcionários com cargos de confiança.

“Recentes escândalos de corrupção, incluindo sérias alegações com altos funcionários do Brasil e de Honduras, mostram como a corrupção está profundamente enraizada em todos os níveis de governo em muitos países das Américas, muitas vezes ligados ao crime organizado e tráfico de drogas”, afirmou.

Em fevereiro, ao reassumir o assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU, o governo brasileiro fez questão de declarar que suas instituições estão funcionando e que têm como um dos seus objetivos lutar contra a corrupção.

Por um ano, por opção do governo de Dilma Rousseff (PT), o Brasil se manteve fora do Conselho da ONU. Mas decidiu por voltar no final de 2016 e, em fevereiro, reassumiu seu posto por dois anos.

Em seu primeiro discurso, a Justiça e o tema da corrupção foram mencionados. “Depois de um processo político difícil, o Brasil se levanta para mostrar ao mundo a robustez de nossas instituições, nosso apego à lei e à Justiça e, acima de tudo, o caráter aberto e democrático de nossa sociedade e de nosso sistema político”, disse a ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois.

“Hoje, como sempre, perseveramos no combate contra a corrupção, com o pleno empenho do Poder Público e total respeito ao devido processo legal e às garantias individuais preconizadas na Carta Magna Brasileira”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Que injustiça contra o Brasil, o jeitinho é diferente de corrupção.

    Curtir

  2. Maria Nazareth colocando o salário acima de tudo, como uma legítima brasileira.

    Curtir

  3. É mesmo ignorância do portavoz da ONU. Um pronunciamento que afronta a moral. Não se generaliza como o fez, deixando fatos, como o que PT, sua gangue e comparsas, deixaram como legado após Lula e Dilma. Enfim, a ONU é mesmo muito mole. Basta vemos o que acontece nas relações da Coreia do Norte, onde uma possível guerra entre nações poderá acontecer visto a falta de tato da ONU.

    Curtir

  4. Flavio Gonzalez

    Claro q uma representante do governo vai lutar com unhas e dentes pela manutenção do status quo, que paga seu salario, e pela continuidade das operaçoes que beneficiam, em ultima analise, seus chefes generosos

    Curtir

  5. Mas a carapuça serviu direitinho em Temer.

    Curtir

  6. José Maria dos Santos

    O subtítulo diz que Maria Nazareth é “representante da ONU no Brasil”, já a legenda da foto diz que é “embaixadora da ONU no Brasil”, e o texto começa dizendo que é “embaixadora do Brasil na ONU”. Aí, cansei e parei de ler.

    Curtir