Governador Gaguim recua e tenta revogar censura à imprensa imposta a seu pedido

A campanha do governador do Tocantins, Carlos Amorim Gaguim (PMDB), entrou nesta segunda-feira com um pedido para que o Tribunal Regional Eleitoral do estado suspenda a liminar que proíbe os veículos de comunicação de divulgar qualquer informação a respeito da investigação do Ministério Público de São Paulo que cita o governador como integrante de uma organização criminosa que fraudava licitações. A proibição foi estipulada na sexta-feira a pedido do próprio Gaguim.

A mordaça, em nove páginas, foi imposta pelo desembargador Liberato Póvoa, do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), e acolhe pedido em ação de investigação judicial eleitoral da coligação Força do Povo, formada por 11 partidos, inclusive o PT, que apoia Gaguim. Na campanha pela reeleição, Gaguim tem recebido no palanque a companhia do presidente Lula e da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff.

Como mostra reportagem de VEJA desta semana, investigações mostram as ligações dos governadores do Tocantins, do Amapá e de Mato Grosso do Sul com quadrilhas acusadas de desviar fortunas dos cofres públicos. Na madrugada de sábado, Gaguim mobilizou 30 policiais militares, armados com fuzis, para tentar impedir a distribuição de VEJA no Tocantins. A ordem era para apreender a revista no aeroporto. Em momento algum, a Justiça autorizou a operação.

Agora, Gaguim quer que a restrição aplique somente às propagandas eleitorais do seu adversário, Siqueira Campos (PSDB), que também disputa o governo do Tocantins.

Leia no blog de Reinaldo Azevedo:

Ficou claro? Foi preciso acionar a PF para impedir que o governo do Estado recorresse à força armada com o intuito de violar a Constituição. A truculência no Tocantins não pode ser dissociada do ambiente criado por Lula e pelos petistas contra a imprensa, que levou um bando de vagabundos a fazer uma manifestação em defesa da censura em pleno Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, um vexame que ficará para a história da infâmia. É esse tipo de gente que os censores querem proteger.