Futuro de Michel Temer nas manchetes de 22/05/17

Em entrevista à "Folha de S.Paulo", presidente nega renúncia e diz que não sabia que Joesley Batista era alvo de investigações

O futuro de Michel Temer (PMDB) como presidente da República está nas manchetes dos jornais nesta segunda-feira. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Temer negou a possibilidade de renúncia e afirmou ter sido ingênuo ao conversar com o dono da JBS, Joesley Batista. Já O Estado de S.Paulo e O Globo afirmam que PSDB e DEM aguardam decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), na quarta-feira, sobre pedido de suspensão do inquérito contra o presidente para decidir manter ou retirar apoio a Temer.

Folha de S.Paulo
‘Não renuncio; se quiserem, me derrubem’, afirma Temer
Em entrevista ao jornal, Temer diz que renunciar seria uma admissão de culpa. Ele afirma que, ao receber Joesley Batista fora da agenda em sua residência oficial, não sabia que o empresário era alvo de investigações. “Eu tenho demonstrado com relativo sucesso que o que o empresário fez foi induzir uma conversa.” Temer ainda disse que o apoio do PSDB durará até 31/12/2018 e que vai revelar força política na “votação de matérias importantes”.

O Estado de S.Paulo
PSDB e DEM dão fôlego a Temer até decisão do STF
Cúpulas de PSDB e DEM decidiram dar mais um prazo para Michel Temer e aguardam julgamento do STF sobre o pedido de suspensão do inquérito contra o presidente, na quarta-feira, para decidir se mantêm ou retiram o apoio ao governo. Nos bastidores, os dois partidos avaliam saída alternativa para a crise, com a escolha de um nome de consenso para substituir Temer caso a situação fique insustentável e haja eleição indireta. Não há acordo sobre quem seria. 

O Globo
Temer perde apoios e aposta tudo no Supremo
Diante da possibilidade de baixa adesão, o presidente Temer teve de cancelar o jantar que havia marcado para domingo com líderes aliados de seu governo. Temer agora aposta tudo no STF. O ex-presidente Fernando Henrique tenta costurar acordo com outros partidos, inclusive o PT, para garantir “sucessão controlada” de Temer. Para ele, o peemedebista não conseguirá concluir seu mandato. 

Valor Econômico
Sinal do STF define futuro de Temer
A decisão do STF de suspender ou não a abertura de inquérito contra Michel Temer será importante para definir o destino do presidente da República e do governo.

Estado de Minas
Dias decisivos
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) decidiu que pedirá o impeachment, provavelmente na quinta-feira, por causa do encontro do peemedebista com o dono da JBS e das conversas gravadas pelo empresário. Na quarta-feira, o STF tomará outra decisão fundamental: a suspensão ou não do inquérito por obstrução da Justiça e corrupção, até que a perícia nos áudios seja concluída.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Amyr Feitosa

    infelizmente o futuro do dr. Temer já chegou … o lixo da história, triste.

    Curtir

  2. o que fazer com esta criatura? pena de morte não temos, prisão perpétua não temos, quantas crianças morreram e morrem com a roubalheira destes terroristas? quantas ainda morreram? precisamos ter a pena de morte, ai a coisa muda… vão tudo pro colo do capeta…

    Curtir

  3. Luiz Carlos Bittencourt

    OAB CONDENA TEMER SER DAR DIREITO DE DEFESA … VAI CONTRA O PAPEL DA “ADVOCACIA” … DEFENDE LULA, DILMA E TODA A QUADRILHA E QUER POSAR DE “BOM MOÇO” … NÃO É PAPEL DA OAB SE METER EM POLÍTICA !!

    Curtir

  4. Luiz Carlos Bittencourt

    ISSO MESMO … NÃO DÁ ESPAÇO PRO SAPO BARBUDO !!

    Curtir

  5. Antonio Renovável

    Não sabia que o super bandido de colarinho branco NÃO ERA INVESTIGADO??? Temer, o senhor tem que sair por incompetência. Me faz lembrar alguém que NUNCA sabia de nada.

    Curtir

  6. Nelson Marchetto

    Na opinião da “imprensa” os inquéritos são “legais” passiveis ou não de suspensão, quando deviam se analisassem melhor deviam estar apoiando a “suspensão” e não dando corda como “militantes” aos outros militantes “vermelhos”!!!

    Curtir

  7. Carlos Aurélio

    A cada minuto que o temer insiste em se acorrentar à cadeira presidencial, o Brasil afunda um pouco mais.

    Curtir