Fim do foro privilegiado e posse de Torquato nas manchetes do dia

Senado aprova fim do foro, mas com alterações que blindam a prisão de parlamentares

A aprovação da proposta de emenda constitucional que acaba com o foro privilegiado está na manchete de O Estado de S.Paulo nesta quinta-feira. O jornal destaca, no entanto, que os parlamentares incluíram regra que favorece a classe política. No Globo, a manchete é sobre a posse do novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, que não descarta mudanças na Polícia Federal (PF), e sobre a recusa do ministro Edson Fachin para suspender o depoimento do presidente Michel Temer à PF.

O Estado de S.Paulo
Senado aprova fim do foro, mas blinda político de prisão
O Senado aprovou proposta de emenda à Constituição que extingue o foro privilegiado para todas as autoridades, com exceção dos chefes dos três Poderes. O texto, porém, sofreu alteração para favorecer a classe política. Depois de acordo firmado entre o relator, Randolfe Rodrigues (REDE- AP), e líderes partidários, continua vetada a prisão de parlamentares até que o processo seja julgado em última instância, salvo em flagrante de crime inafiançável e com autorização do presidente da respectiva Casa, Câmara ou Senado.

O Globo
Ministro tem posse esvaziada, e Temer sofre revés no STF
Numa cerimônia de posse esvaziada, sem líderes do PSDB, principal aliado do presidente Temer, o novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, não descartou mudanças na PF. Em entrevista, afirmou que conversará com o diretor- geral da PF, Leandro Daiello, sobre substituições, mas defendeu a Lava-Jato e disse que a investigação seguirá “seja com quem for”. Relator da Lava-Jato no STF, Edson Fachin negou pedido de Temer para suspender o depoimento no inquérito a que ele responde.

Folha de S.Paulo
BC cita impacto da crise e diz que juro cairá menos
A crise política no governo Temer já começa a interferir na economia brasileira. Em antecipação aos efeitos da turbulência, o Comitê de Política Monetária do Banco Central manteve o ritmo de queda da taxa básica de juros do país. Na quarta-feira, o Copom anunciou corte de 1 ponto percentual na Selic, para 10,25% ao ano. Antes da revelação do áudio gravado por Joesley Batista, um dos donos da JBS, com o presidente, a projeção do mercado financeiro era de redução de 1,25 ponto.

Valor Econômico
Donos da JBS assumem ônus do acordo de leniência
O mercado reagiu positivamente ao acordo de leniência fechado pelo Ministério Público Federal (MPF) com a J&F, holding da família Batista que controla a JBS. Como a multa, de R$ 10,3 bilhões, será paga no prazo de 25 anos exclusivamente pela J&F, a JBS ficou livre desse ônus.