Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fechamento da Feira da Madrugada provoca novo protesto

Manifestantes fecham faixa de avenida na região central; prefeitura fechou a Feirinha em maio para reformas

Um grupo de cerca de cinquenta pessoas promove um novo protesto contra o fechamento da Feirinha da Madrugada na manhã desta quinta-feira. Os manifestantes ocupam a faixa da direita da Avenida do Estado e da rua São Caetano, na região central de São Paulo, desde as 7h. Mais uma vez, eles protestam contra o fechamento da Feira da Madrugada.

A prefeitura fechou o local no dia 29 de maio para reformas de segurança. Desde a decisão de encerrar as atividades comerciais para as obras, várias manifestações dos lojistas ocuparam as ruas do Centro da capital paulista. O último protesto foi nessa quarta-feira, quando cem pessoas bloquearam os dois sentidos da rua Oriente, no Brás, centro de São Paulo.

Agora os comerciantes alegam que, apesar de a feirinha ter sido fechada há quase trinta dias, as obras ainda não começaram. A prefeitura deu um prazo de sessenta dias para terminar a reforma – que vai custar cerca de 4 milhões de reais- e reabrir o comércio no local. Antes mesmo do fechamento, eles queriam ser responsáveis pelas reformas de adequação, garantindo assim o funcionamento normal da feirinha durante as obras. Depois, quiseram instalar o comércio em um terreno na Marginal Tietê, ao lado da Ponte do Limão, na Zona Oeste da cidade, mas a administração municipal não cedeu a permissão.

Unesp – Na manhã desta quinta-feira, outra manifestação em SP culminou na invasão da reitoria da Universidade Estadual Paulista (Unesp), na região central da capital. Segundo a instituição, um grupo de cem alunos entrou no prédio. Por volta de 12h, a universidade afirmava que o clima era pacífico no prédio. Os manifestantes protestam por isonomia nos investimentos e recursos entre as diferentes universidades estaduais de São Paulo. Antes mesmo da manifestação, já estava prevista nesta tarde uma audiência na Assembleia Legislativa com grupo que reúne professores e alunos para discutir o assunto.

Leia também:

Propina amplia feira ‘sem lei’ da madrugada em SP

SP: Feira da Madrugada é palco de protesto de camelôs

(Com Estadão Conteúdo)