Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudante atacado por PM tem melhora e já abre os olhos

Mateus Ferreira da Silva chegou a responder aos comandos dos médicos nesta quarta-feira. Ele teve traumatismo craniano após ser golpeado por um PM

O estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, que foi golpeado violentamente na cabeça por um policial militar durante uma manifestação, no centro de Goiânia, abriu os olhos e respondeu aos comandos dos médicos nesta quarta-feira. Segundo a equipe médica, o risco de vida diminuiu, mas o quadro clínico ainda é grave. Os traumas que ele sofreu foram muitos: vários ossos que contornam o nariz foram refeitos, a clavícula ainda está quebrada e parte do osso frontal (testa) foi retirado, exigindo reconstituição cirúrgica das membranas que protegem o cérebro.

O universitário foi atingido por um golpe de cassetete desferido pelo capitão da Polícia Militar de Goiás Augusto Sampaio de Oliveira durante tumulto em ato contra as reformas da previdência e trabalhista. Desde então, ele está internado no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), registrando melhora progressiva, mas ainda sem previsão de alta.

O rapaz passou por intervenção cirúrgica no sábado nos ossos menores da face, para evitar interferência deles no quadro clínico, explicou o coordenador da UTI 2 do Hugo, o médico intensivista Alexandre Amaral. Segundo ele, a qualquer momento o estudante pode ser desentubado e ter removida a ventilação mecânica.

Amaral disse que a cirurgia para reconstrução de parte do osso da testa ainda não tem data para acontecer. Ela depende da melhora no quadro bronco respiratório do rapaz. Silva sofreu pneumonia clínica e disfunção renal decorrentes dos ferimentos, passando por duas sessões de hemodiálise, problemas que já forma controlados.

Os familiares receberam nesta quarta-feira a visita dos senadores petistas Lindbergh Farias (RJ), Gleisi Hoffmann (PR) e Regina Sousa (PI) no hospital. O ex-presidente Lula também telefonou para os parentes de Silva. Já a Universidade Federal de Goiás, onde Silva estuda há pouco mais de um ano, por meio de nota assinada pelo reitor substituto, Manoel Chaves, encaminhou ofício à Secretaria de Segurança Pública e Administração do Sistema Penitenciário de Goiás, pedindo providências contra a agressão sofrida pelo estudante.

“Confirmada e comprovada a autoria do ato, a comunidade universitária solicita, além da punição administrativa, tendo em vista as circunstâncias do lamentável episódio, a responsabilização criminal do agressor”, diz o documento.

Desde a terça-feira, a vigília na porta do hospital cresceu com a adesão de muitos estudantes, professores e outras pessoas. Velas foram acesas pela recuperação do jovem.

Imagem de vídeo mostra momento em que Mateus Ferreira da Silva é atingido por policial durante protesto, em Goiânia. (Reprodução/Facebook)

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Estudante? Só falta dizer que é uma “quiancha” de “apenas” TRINTA E TRÊS aninhos…
    Eu vi no Youtube ele e um bando com a cabeça escondida por um pano (assaltantes de diligências do velho oeste?) DEPREDANDO patrimônio público e privado.
    Deveria pagar pelo cassetete que quebrou com o nariz. Ou foi com o chifre? Vou voltar ao Youtube (FOI LEGAL, PM!).

    Curtir

  2. Estudante? Estudante? Eu li estudante? Black block e matéria em universidade agora?

    Curtir

  3. ele bateu os olhos como sinal de afirmação que aqueles dois elementos da facção PT são membros da comissão de apoio os desordeiros no manifesto.

    Curtir

  4. As FORÇAS ARMADAS, são o braço armado da população….
    Deveria prender por indução e distúrbios de rua; os chefes da baderna…

    Curtir