Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

STJ manda Roger Abdelmassih de novo para casa

Ex-médico, condenado pelo estupro de 37 pacientes, tinha voltado para o presídio no sábado, após ter ficado uma semana em prisão domiciliar

O ex-médico Roger Abdelmassih vai voltar para casa.O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou o mandato de segurança obtido pelo Ministério Público Estadual no Tribunal de Justiça de São Paulo e restabeleceu a decisão que concedeu prisão domiciliar a Adbermassih, condenado a 181 anos de cadeia pelo estupro de 37 pacientes em sua clínica de reprodução assistida. De acordo com o entendimento da ministra Laurita Vaz, a revisão ou não da decisão deve ser analisada no recurso do MP e não em caráter provisório pedido através do mandato de segurança.

“O entendimento do STJ foi puramente técnico e não levou em conta os riscos da manutenção da prisão domiciliar do condenado (Roger Abdelmassih).  Há um risco claro de fuga. Infelizmente,  fica a sensação de impunidade”, afirmou o promotor Luiz Negrini, que estima, agora, só para o final do ano o julgamento do recurso contra a prisão domiciliar do ex-médico.

Na sexta-feira, o desembargador José Raul Gavião de Almeida, do Tribunal de Justiça de São Paulo, havia cassado por meio de uma liminar a concessão de prisão domiciliar dada pela juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara de Execuções Penais de Taubaté. De acordo com o STJ, a medida não poderia ter sido adotada porque o MP usou um mandado de segurança para reverter a decisão da juíza, que não é o instrumento judicial correto.

No dia 21 de junho, a Justiça havia permitido a Abdelmassih que cumprisse sua pena em casa. A juíza aceitou o argumento de seus advogados de que, além da idade avançada (73 anos), o ex-médico sofre de graves problemas de saúde, notadamente uma série de doenças cardíacas, que exigem tratamentos médicos frequentes, incluindo internações hospitalares, e que colocam em risco a sua vida. O MP contestou  a credibilidade do laudo, defendeu que ele poderia ser tratado mesmo preso e acusou Abdelmassih de agravar propositalmente sua condição de saúde.

O julgamento da questão urgente coube à presidente do STJ, ministra Laurita Vaz, em razão do período de férias forenses, durante o mês de julho. Segundo a ministra, configura constrangimento ilegal a utilização de mandado de segurança para restabelecer prisão quando ainda há recurso pendente – trata-se de um entendimento consolidado pelo tribunal há muito tempo. Assim, a magistrada determinou que fica restabelecida a decisão do juízo de primeira instância. O promotor contesta a decisão: “Não há ilegalidade nenhuma no pedido feito tanto que foi aceito do TJ. É um entendimento da ministra que respeitamos”, concluiu Negrini

O julgamento final do habeas corpus caberá à Quinta Turma do STJ. Abdelmassih cumpre pena desde 17 de agosto de 2009.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jarbas N. Cavalcante

    $TJ, $TF. Não precisa explicar, eu só queria entender.

    Curtir

  2. Acima de uma filigrana de processo penal deveria estar o caráter criminoso do idem. Em que pais do mundo um ordinário estupra 37 mulheres em situação de incapacidade temporária de se defender, é condenado a 181 anos e vai pra casa porque está dodói. Dá nojo tudo isso

    Curtir

  3. Desde de que você tenha dinheiro, o crime compensa!!!! e olha que nem precisou ir ao R-$TF!!!!, nem precisou do Lewandólar, do Gilmar ou do Tofoli

    Curtir

  4. Denilson Rodrigues

    A explicação é simples: O réu é rico. E neste país, quem tem dinheiro, pode roubar, matar, estuprar, que da quase nada. Só uns diazinhos de cadeia, depois é solto, rico e felíz do mesmo jeito.

    Curtir