Com 22 votos, Pedro Serafim é eleito prefeito de Campinas

A eleição indireta desta terça-feira é mais um capítulo da conturbada novela política que teve início em agosto de 2011 com a cassação de Dr. Hélio (PDT)

Com o voto de 22 dos 33 vereadores, Pedro Serafim Júnior (PDT) continua a ocupar o cargo de prefeito de Campinas, a principal cidade do interior paulista. A eleição indireta foi realizada na manhã desta terça-feira, na Câmara Municipal. Serafim assume o “mandato-tampão” na próxima quinta-feira e segue no posto até 31 de dezembro, quando entregará a vaga para o candidato escolhido nas eleições de outubro deste ano.

A eleição indireta desta manhã é mais um capítulo da conturbada novela política de Campinas, que teve início em 20 de agosto de 2011 com a cassação do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT), reeleito em 2008. Seu vice, Demétrio Vilagra (PT), assumiu o cargo, mas sofreu impeachment em dezembro. Vilagra, cinco funcionários da gestão de Dr. Hélio, empresários e lobistas serão julgados por supostos crimes de formação de quadrilha, desvio de recursos públicos e fraude em licitações. Entre os réus está também a mulher do antigo prefeito, Rosely Nassim dos Santos.

Desde então, Serafim, que era presidente da Câmara dos Vereadores, assumiu a prefeitura. Ele já foi vereador por quatro mandatos, sendo que no último foi eleito com mais de 3.400 votos. Nesta terça-feira, Serafim recebeu o apoio de 22 dos 33 vereadores. Cinco votos foram para o principal concorrente de Serafim, o vereador Arly De Lara Romêo (PSB). O vereador Antônio Francisco dos Santos (PMN), conhecido na cidade pelo apelido de O Politizador, teve apenas um voto – o dele mesmo. O procurador municipal José Ferreira Campos Filho (PRTB), o quarto candidato ao “mandato-tampão”, não foi votado. Apenas uma ausência foi registrada, a do vereador Ângelo Barreto (PT).