Casos de estupros e prisões crescem em São Paulo

Entre janeiro e junho, 5.249 ataques sexuais foram registrados. No mesmo período, a população carcerária aumentou em 6.691 presos

Os estupros aumentaram 9,4% no estado de São Paulo. No primeiro semestre deste ano, 5.249 casos foram registrados. No mesmo período, contudo, a capital contabilizou uma queda de 4,6% em relação aos primeiros seis meses de 2010. Desde 2009, as estatísticas sobre esturpos passaram a incluir os registros de atentado violento ao pudor.

Para Álvaro Batista Camilo, comandante-geral da PM, o crescimento dos números pode ter sido resultado da Lei Maria da Penha e da conscientização cada vez maior das vítimas. “O estupro é o crime mais notificado em todos os países do mundo”, diz. “Nesse sentido, o aumento de registros pode ser considerado positivo”.

No período, 360 pessoas foram detidas por dia no estado. A população carcerária passou de 170.829, em dezembro de 2010, para 177.520, em junho de 2011. Para conter tal avanço, na última quarta-feira, 20 de julho, o Conselho Nacional de Justiça inaugurou o mutirão carcerário no estado.

Até 16 de dezembro, 94.000 processos de presos em regime fechado serão analisados. Os próximos cinco meses também incluem a visita de juízes a 149 penitenciárias. As expedições buscam aliviar o sistema com a identificação de presidiários com direito a regimes mais brandos ou à liberdade.

Tráfico ─ Entre janeiro e junho de 2011, houve 18.027 flagrantes de tráfico de drogas em São Paulo ─ número 22% maior do que o registrado no primeiro semestre do ano passado.

(Com Agência Estado)