Carne Fraca: PF caça dois empresários foragidos

Pai e filho estão com prisão preventiva decretada, mas não foram encontrados pela polícia. Um deles já está na Itália e outro tentou fuga para o mesmo local

A Polícia Federal está no encalço dos empresários Nilson Alves Ribeiro e Nilson Umberto Sacchelli Ribeiro, que tiveram prisão preventiva decretada dentro da Operação Carne Fraca, mas estão foragidos. O primeiro Nilson é pai do segundo e ambos são sócios do frigorífico Frigobeto. Os dois são acusados de pagar 350.000 reais em propina para fiscais do Ministério da Agricultura no Paraná em troca de uma licença em tempo recorde para abate de carne de cavalo. Tanto um como o outro têm cidadania italiana, o que deixou a Polícia Federal em alerta. Nilson pai, por exemplo, já está fora do Brasil. E Nilson filho está sendo monitorado pela PF, mas tem escapado do cerco policial. Os investigadores descobriram que ele havia comprado uma passagem para a Itália e armaram um esquema para prendê-lo no aeroporto. Mas ele deu o “bolo” e deixou os policiais chupando o dedo. Dos 38 mandados de prisão expedidos na operação, só os da família Ribeiro não foram cumpridos até agora.

Pecuarista em aeroportos pelo mundo (Reprodução/Arquivo pessoal)

No ano passado, a família Ribeiro, que mantém o frigorífico Frigobeto em Londrina, decidiu ampliar os negócios e passou a abater carne de cavalo. Como tinham livre trânsito no órgão público que concede licenças, eles começaram o abate antes de ter permissão. Só depois procuraram o fiscal Gercio Luiz Bonesi que, segundo a PF, faz parte da organização criminosa instalada dentro do Ministério da Agricultura, especializada em concessão de documentos em troca de propina.

Em um das ligações interceptadas pela polícia com autorização judicial, Nilson pai e Nilson filho discutem o pagamento da propina aos fiscais. No primeiro diálogo, o filho diz ao pai, que está na Itália, que os fiscais pediram 700.000 reais para liberar o frigorífico para abate de carne de cavalo. O chefe da família reclama. “É muito dinheiro. Diz a eles que o nosso negócio é muito pequeno”. O filho volta a negociar com os fiscais e diz ao pai que conseguiu baixar a propina para 350.000 reais, mas pondera que o pagamento tem de ser feito no dia seguinte. O pai barganha ainda mais: “Então fecha esse valor, mas diz que vamos pagar 150.000 reais de entrada e dividir o restante em duas parcelas de 100.000 reais. Pede muito prazo para dar tempo de fazer esse dinheiro”, orienta.

O mais curioso é que, no final da ligação, o filho ainda explica para o pai que a família sempre soube “desde o início dos negócios” que só sobrevive no ramo quem tem dinheiro para “pagar por fora”. “É aquilo que te falei, pai. É tudo no dinheiro mesmo. Não tem outro jeito, né? Se quiser entrar na Justiça, deixar correr, ainda vamos gastar isso tudo ou muito mais com advogados e ainda ficaremos na incerteza”. O pai concorda e manda o filho providenciar o pagamento. A primeira parte da propina foi paga em um hotel em Curitiba e a segunda parcela no aeroporto. Em um dos pagamentos, os Ribeiro arrolam outro membro da família, o caçula Jose Nilson Sacchelli Ribeiro, que não teve a prisão decretada, mas foi depor coercitivamente.

Segundo a PF, as propinas pagas pela família Ribeiro abasteciam a organização criminosa liderada pelo ex-superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná, Daniel Gonçalves Filho, afilhado do atual ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR). As investigações apontam que Daniel comandava um bando formado por nove fiscais agropecuários. Ao investigar o patrimônio de Daniel, a PF descobriu que ele possui uma dezena de imóveis e carros de luxo com valores de mercado incompatíveis com a sua renda. Parte desse dinheiro, segundo a polícia, escorria para a conta corrente do PMDB e PP.

Em um blog pessoal, Nilson Umberto Sacchelli Ribeiro se intitula comendador do Paraná desde 2014, quando recebeu “a mais alta honraria do Estado” das mãos do governador Beto Richa (PSDB), com quem aparece em diversas fotos no blog.  Tem ainda publicações com os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Alvaro Dias (PV-PR). Em diversos posts, Ribeiro, o filho, aparece na pista de vários aeroportos pelo mundo. Mas a imagem que mais chama a atenção é ele na porta de um avião da TAM no aeroporto de Curitiba em data incerta. Se a PF não se apressar, corre o risco de ficar a ver navios.

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Seriam amigos do PT?….

    Curtir

  2. Fernando Rizzato

    Que coisa!! De indignar. Será que ele tem cidadania européia?

    Curtir

  3. Sujeito Brasileiro

    Pra quem não sabe ler direito:
    “a mais alta honraria do Estado” das mãos do governador Beto Richa (PSDB), com quem aparece em diversas fotos no blog. Tem ainda publicações com os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Alvaro Dias (PV-PR). ”
    São das atuais quadrilhas de bandidos golpistas do PSDB, PMDB e PP.
    Quadrilhas blindada pela mídia e pelo poder judiciário.

    Curtir

  4. joao batista de assis pereira

    CENTRAL GLOBO DE OPORTUNISMO.

    Observamos o sistema Globo de Produção acompanhar a onda de evasivas denuncias, via Jornal Nacional e Fantástico de fatos que são patrocinados por empresariados americanos e australianos para detonar empresas brasileiras, verdadeiras multinacionais brasileiras exportadoras de agronegócios que comercializaram e industrializam proteína animal e são lideres nesse seguimento em escala global, unicamente pelo fato dessas empresas não investirem na mídia global na forma compatível com sua arrecadação. Há bastante tempo, não observamos propaganda da Friboi nos intervalos das novelas globais nem nos enfadonhos programas diários ENCONTROS da cansativa e patética Fátima Bernardes, nem do “Bem estar” apresentado pelos jornalistas Mariana Ferrão e Fernando Rocha. Da mesma forma, o sistema Global atacou a Petrobras em passado recente, na época de prosperidade na Estatal, fase imediatamente anterior ao petrolão que preferia investir na mídia externa (Fórmula Um) em detrimento a mídia local, por não depender desse seguimento, por motivos políticos ideológicos e por deter, na prática, o monopólio do seguimento de comercialização de combustível, petróleo e gás no Brasil, apesar do FHC ter quebrado o monopólio nesse seguimento, mas, na pratica, a Petrobras ainda continua monopolizando esse seguimento. ESSE É O BRASIL DOS ESPERTALHÕES.

    Curtir

  5. alvaro castro e souza

    O Frigorífico Santo Antonio, chamado Frigosanto, faliu no início da década de 1980. Falência fraudulenta.
    Mas a “famiglia”continuou rica e influente, operando outros frigoríficos, como Martini Meat, Kig Meat, cortumes, etc..
    Não é novidade terem pago propina – já faziam isso desde a falência fraudulenta. Espero que quebrem de vez e que os gerentes de banco que ficam pendurados no seu saco levem um chute também.

    Curtir