Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Avião de acidente com Teori é recolhido do mar

O bimotor caiu na água a cerca de dois quilômetros de Paraty, no litoral sul do Rio

Os destroços do avião em que viajava o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, morto em acidente aéreo na última quinta-feira, foram recolhidos do mar na noite deste domingo (22). O avião, um bimotor modelo King Air C90GT, fabricado pela Hawker Beechcraft, caiu na água, a cerca de dois quilômetros de Paraty, no litoral sul do Rio. Quatro pessoas morreram, além de Teori.

Por volta das 18 horas, chegou ao local a balsa com um guindaste acoplado para fazer a operação. A vinda da embarcação foi necessária porque o local onde o avião caiu tem profundidade de apenas três metros. Nenhum navio de porte suficiente para içar o avião (que tem pouco menos de 11 metros de comprimento e distância entre as asas de 16 metros) conseguiria navegar em área tão rasa. A balsa consegue navegar em áreas a partir de 2,5 metros de profundidade.

A responsabilidade pelo resgate dos destroços cabe à AGS Logística, empresa com base em São Paulo contratada pela seguradora do avião. A balsa estava em Niterói, região metropolitana do Rio. Como se desloca em velocidade baixa, a embarcação demorou cerca de 24 horas para chegar ao local do acidente. A viagem duraria 12 horas, mas as condições climáticas e do mar fizeram o tempo de deslocamento dobrar.

Durante todo o dia, a imprensa e curiosos aguardaram com expectativa a chegada do equipamento. O local do acidente não é visível a partir do continente, mas as pessoas se concentraram em uma marina usada como base pelas autoridades e equipes de resgate.

Funcionários da AGS Logística e técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão da Força Aérea Brasileira (FAB) responsável pela investigação sobre as causas do acidente, fizeram um reconhecimento da área onde o avião estava.

Com todas as partes do avião sobre a balsa, ela seguirá viagem até Angra dos Reis, a 94 quilômetros ao norte, por terra, de Paraty. Um navio da Marinha escoltará a balsa durante essa viagem. Técnicos do Cenipa também acompanharão o trajeto, na própria balsa.

Em Angra, a aeronave será transferida para uma carreta e seguirá por terra até a Base Aérea do Galeão, na Ilha do Governador, zona norte do Rio, onde funciona a sede do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa III, órgão regional subordinado ao Cenipa), que vai começar a investigação dos destroços. Quando concluir seu trabalho sobre as causas da queda da aeronave, o Cenipa vai divulgar um relatório em seu site, segundo informou ontem (sábado, 21) o órgão.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Smigle

    Se este fosse um país sério e a PF fosse competente, os destroços desse avião estariam sendo vigiados por um grupo armado dia e noite, pois se houve um atentado, por exemplo um tiro de fuzil no motor da asa esquerda, que testemunhas dizem ter visto soltar uma fumaça estranha, esses indícios podem desaparecer pelas mãos dos responsáveis pelo atentado. Depois vão dizer que nada suspeito foi encontrado…

    Curtir

  2. Carlos Marques

    O Smigle tem razão. Breve, a “investigação” será esquecida, e o mistério permanecerá para sempre. Foi mesmo um “mero” acidente? Assim é, se lhe parece… Que pelo menos, melhorem as instalações deste “aeroporto” de araque…

    Curtir

  3. Adilson Nagamine

    Os destroços falam.

    Curtir

  4. Osvaldo Souza

    É uma pouca vergonha. Aeronáutica à serviço do planalto como sempre, omissa a acidentes de queima de arquivos recentes (vide Eduardo Campos). Não se esqueçam que duas semanas antes do acidente de Eduardo Campos o lixo da Dilma emitiu um decreto impondo sigilo absoluto sobre acidente aéreo por 20 anos. Pura sem vergonhisse!

    Curtir

  5. Haroldo Alves

    Tudo bem que haja muita boataria sobre o acidente do avião do Ministro do STF, mas uma coisa me chamou à atenção: A Massoterapeuta Maíra, passageira que também faleceu no acidente, sofreu um assalto muito suspeito, pouco antes de embarcar. Acho que as investigações sobre o acidente devem começar por esse assalto e os pertences (bolsa, mala, etc) da passageira.

    Curtir