Autoridades aumentam fiscalização de boates após tragédia

Na segunda, presidente Dilma cobrou de prefeitos que um caso como de Santa Maria - em que 234 morreram em casa noturna - nunca mais ocorra no país

Após o incêndio que matou 234 pessoas na boate Kiss, na cidade gaúcha de Santa Maria, prefeituras e governos estaduais pelo país anunciam medidas para aumentar a fiscalização de casas noturnas. No caso mais extremo, a prefeitura de Americana, no interior paulista, cassou na segunda-feira o alvará de todas as boates da cidade para confirmar a presença de brigadistas nos locais.

Leia também:

118 permanecem internados, 75 em estado gravíssimo

Improviso põe em risco o público nos shows com fogos

Em Alagoas, o secretário de Estado da Defesa Social, Dário Cesar, escreveu na segunda, em seu perfil no Twitter, que se reuniu com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros e que determinou que fosse feita vistoria em todas as “casas de diversão”, a fim de verificar se os proprietários cumprem as exigências legais para o seu funcionamento. “Tragédias também têm de servir de ensinamento!” concluiu.

As prefeituras de Fortaleza e de Manaus anunciaram que já estão com a fiscalização em andamento. Em São Paulo, o Corpo de Bombeiros informou que nos últimos dois anos a corporação vetou 70% dos pedidos para atestar a segurança de boates e outros locais de festa.

Cidade histórica – A preocupação com a segurança desses locais também mobiliza moradores de cidades históricas, como Paraty, no Rio de Janeiro. A Associação de Moradores do Centro Histórico de Paraty (Amap Paraty) subscreveu ofício no início desta semana, encaminhado ao Ministério Público, à prefeitura da cidade e ao Corpo de Bombeiros, alertando para as irregularidades de um estabelecimento situado na antiga Rua da Matriz.

O ofício diz que o local não tem alvará de funcionamento e nem do Corpo de Bombeiros, não tem saídas de emergência e nem equipamentos de combate a incêndio, o volume do som é muito acima do permitido em lei e o madeiramento do telhado está com risco de ruir. “As casas são antigas, a maioria delas de madeira, fácil à propagação de fogo, não têm porta de emergência, então a nossa preocupação é ainda maior”, diz o presidente da entidade Ricardo Rameck.

Na segunda-feira, a presidente Dilma cobrou dos prefeitos reunidos em Brasília fiscalização das casas noturnas. “Diante dessa tragédia (ocorrida em Santa Maria), temos o dever de assumir o compromisso de evitar que coisa semelhante jamais venha a se repetir”, disse ela. Além disso, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), vai criar hoje uma comissão parlamentar para redigir uma proposta de legislação que unifique as normas básicas de segurança em edificações para todo o território nacional.

(Com Estadão Conteúdo)