Pichador explica por que decidiu escrever doze ‘doria’ em muro

Iaco Viana disse que escreveu no muro da Avenida 23 de maio para ver o prefeito de São Paulo apagando o próprio nome

Na última terça-feira,  Iaco Viana participou de mais um capítulo da disputa entre a Prefeitura de São Paulo e grupos de grafiteiros e pichadores. No conflito aberto pelos muros da cidade, Viana escreveu doze vezes o sobrenome do prefeito paulista João Doria no muro recém pintado de cinza na Avenida 23 de Maio. Cerca de uma hora depois, funcionários do município apagaram a pichação. Em entrevista por email a VEJA, ele contou que decidiu escrever ‘doria’ para obrigar o prefeito a apagar o próprio nome. “O nome é tudo que você tem, é a sua identidade”. Sobre o enquadramento da pichação como crime ambiental, diz: “Ser proibido é a essência da pichação”.

Por que você resolveu escrever o nome Dória na 23 maio? Praticamente tudo que eu faço é baseado em numerologia e estudos. Escrever 12 vezes o nome *dória é primeiramente um símbolo, porque é um número que representa muitas coisas no sistema numérico (meses de ano, horas diurnas horas noturnas, doze apóstolos,doze signos, etc). Agora sobre a palavra ‘dória’: nada melhor do que escrever o nome da pessoa que está proibindo algo. Quando alguém manda apagar o próprio nome é como se estivesse apagando a si mesmo, destruindo seu ego. O nome é tudo que você tem, é a sua identidade.

Como você planejou a ação? Pensou, por exemplo, nos riscos? Pensei em como fazer algo diante das situações ocorridas. Como fazer com que as pessoas pensassem a respeito. Esse é o papel da arte. Risco a gente corre todo dia ao sair para fora do portão de casa.

Como você classifica o que você fez? É arte, protesto, grafite ou pichação? Estudei arte praticamente minha vida inteira e continuo estudando e aprendendo. Não gosto de pôr rótulos no que faço, tipo grafiteiro ou pichador. Isso limita a pessoa. Não faço somente isso na vida: a arte é muito ampla. Já estudei artes visuais e publicidade, já dei aula de educação artística, já dei aula de desenhos para índios… Na escrita ou no desenho, seja no muro ou na tela, tem que se comunicar com a pessoa de alguma forma. Nós vivemos em uma das maiores metrópoles do mundo e fazemos com que as pessoas por instante saiam um pouco da rotina e observem a cidade. Isso é um feito.

Quais são, por exemplo, as tuas maiores referências? Minhas referências são as pessoas, e o mundo que nós vivemos. Além dos artistas como Modigliani, Miró, Rembrandt, Renoir e das músicas que escuto.

A pichação é enquadrada na lei como crime ambiental. Deveria ser liberada? Ser proibido é a essência da pichação, porque somente assim quem realmente vive isso irá fazer as tipografias na rua. Eu comecei meu primeiro contato com a rua através da pichação e vendo graffitis em São Paulo.

O que você diria a quem teve a casa pichada? Infelizmente não tem muito o que fazer a não ser apagar. Mas ela nunca pode esquecer que pode ser seu filho, seu primo.

Onde você costuma grafitar/pichar? Geralmente em lugares abandonados ou em muros que já tem previamente algum grafite ou pichação ou em lugares deteriorados. Nunca monumentos ou patrimônio histórico.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcelo S Calderaro

    Veja se esquerdizando cada vez mais. Dando moral para bandido. Não tem nada de arte. É destruição do patrimônio público e privado. Dinheiro que está sendo investido para apagar esses vandalismos, poderia ser investido na bem-estar da população. Fora André Petry. Vá para a Venezuela.

    Curtir

  2. Ele tem a ideia de jerico dele. O resto que se exploda. Como será que um cretino desses ganha a vida?

    Curtir

  3. Fabio Santos

    Esse idiota devia pagar pela tinta e pela mão de obra do pintor que teve que arrumar a porcaria que ele fez! Não tem nada de arte nisso!!

    Curtir

  4. eber alves da rocha

    Arte!? Rapaz mude, sai dessa. O mundo mudou e o PT foi retirado a ponta-pé do poder.

    Curtir

  5. A impressão que se tem é que a revista Veja busca glamurizar a atitude do pichador, chamando-o de “artista” e entrevistando-o como se fosse alguém que mereça viver seus 5 minutos de fama graças a um ataque à cidade e à cidadania. Por quê? Basta ver o repúdio de 100% dos comentários à matéria para ver como a editoria da Veja não está entendendo nada do que está acontecendo nesse esforço do prefeito para debelar a poluição visual que só agrava o estresse dos paulistanos.

    Curtir

  6. Sales N Marcelo

    Mandou bem Ramiro…”Ian You are a dickhead…deveriam e pixar sua cara qdo te pegarem seu idiota. Arte não se expressa destruindo o trabalho dos outros”.

    Curtir