Após apoio da oposição, Papandreou desiste de referendo sobre plano de ajuda

Atenas, 3 nov (EFE).- O primeiro-ministro da Grécia, Giorgos Papandréu, retirará a proposta do polêmico referendo sobre o plano de ajuda internacional a seu país por ter recebido o apoio da oposição ao acordo do Eurogrupo sobre o segundo resgate da economia do país, informou nesta quinta-feira seu escritório em Atenas.

‘Inclusive não vamos a um plebiscito, que nunca foi um fim em si mesmo, e saúdo a posição da oposição conservadora que está disposta a ratificar no Parlamento o acordo da cúpula de Bruxelas’, diz um comunicado do escritório de Papandreou divulgado nesta quinta-feira.

‘Estou satisfeito por não convocarmos uma consulta popular, porque este não era meu propósito’, disse o encurralado primeiro-ministro, que enfrenta uma crescente resistência interna em seu próprio partido.

Papandreou acrescentou na nota sempre ter dito que ‘se houvesse apoio (por parte da oposição), não havia a necessidade de um referendo’.

Paralelamente, o primeiro-ministro grego propôs que uma equipe de seu partido (o socialista Pasok) ‘dialogue com a oposição conservadora’, e afirmou que ele mesmo vai conversar com o líder opositor Antonis Samaras ‘para chegarem a um consenso’. O premiê também advertiu que o país ‘não saiu do redemoinho’.

O ministro da Saúde, Andreas Loverdos, um histórico e influente representante do Pasok, havia sugerido a Papandreou que renunciasse se não tivesse certeza se obterá nesta sexta-feira o apoio de seus aliados parlamentares em uma moção de confiança, segundo a rede de televisão grega ‘Mega’, que citou fontes do conselho de ministros, realizado em Atenas.

Por outro lado, o ministro de Transporte, Yannis Ragussis, propôs nesta quinta-feira um governo de união nacional como solução para a atual crise institucional.

Em entrevista no Parlamento de Atenas, o ministro disse que ‘até agora o sistema político (do país) funcionava sublinhando as diferenças entre partidos’, dando a entender que a solução passa por um pacto entre as legendas presentes na Câmara.

Outras fontes do Pasok confirmaram à Agência Efe em Atenas que 100 dos 151 deputados socialistas apresentaram a Papandreou uma proposta para iniciar um processo rumo a um governo de união nacional, que aprovaria o plano de resgate internacional sem a necessidade de uma consulta popular. EFE