Advogado de Dilma, Cardozo “trabalhará” para Doria

Petista reassumirá o cargo de procurador do município de São Paulo após 21 anos afastado da função

A partir de janeiro, o advogado da ex-presidente Dilma Rousseff, o petista José Eduardo Cardozo, vai ter como chefe o prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB). Após 21 anos afastado, o petista deverá voltar à Prefeitura de São Paulo para assumir o cargo de procurador municipal do qual está afastado desde 1995, quando foi tomou posse em primeiro mandato como vereador. A intenção do defensor de Dilma é conciliar o trabalho no município com o exercício da advocacia em um escritório privado. Isso, é claro, sem deixar de defender sua ex-chefe nos recursos do processo de impeachment.

Mesmo após a derrota do prefeito Fernando Haddad, Cardozo afirmou a interlocutores que quer voltar à Procuradoria. Na última segunda-feira, ele esteve com o Haddad na Prefeitura e comentou o assunto.

Cardozo começou a trabalhar no município logo após se formar na PUC, no início dos anos 1980, durante a gestão do ex-prefeito Jânio Quadros. A convite do então assessor de assuntos jurídicos de Jânio, Cláudio Lembo, ingressou na procuradoria e ficou na área até assumir uma secretaria no governo da ex-prefeita Luiza Erundina.

Desde que a administração da ex-presidente acabou definitivamente, em agosto, Cardozo divide o seu tempo entre a defesa de Dilma, que tenta anular a cassação no Supremo Tribunal Federal, e palestras no Brasil e no exterior. Recentemente, passou algumas semanas em Salamanca, na Espanha, concluindo o doutorado e ministrando  um ciclo de debates na universidade da cidade espanhola. Nesta semana, irá ao Nordeste onde falará para alunos de uma universidade pernambucana sobre o afastamento da ex-presidente.

Após assumir o cargo, Cardozo também planeja se associar a um escritório de advocacia. Como entrou na Procuradoria do município antes da constituição de 1988, o petista poderá conciliar as atividades como servidor municipal com a defesa de clientes privados. Ainda nos primeiros meses do ano que vem, ele será efetivado como novo sócio do escritório Celso Cordeiro e Marco Aurélio de Carvalho Advogados, que tem unidades na capital paulista e em Ribeirão Preto. O escritório tem atuação na área tributária, mas Cardozo será responsável pela criação do departamento de direito público.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Marchetto

    Em tempo, veja a carinha de safado na foto ao lado da “outra”!!!

    Curtir

  2. Nelson Marchetto

    Vejam com quem ele trabalhou, janio quadros e luiza erundina e atualmente com dilma, precisamos de mais alguma coisa , para que o Dória o expulse???

    Curtir

  3. José Maria Pessoa de Melo

    RXCELENTÍSSIMO SENHOR PREFEITO DA CAPITAL DO ESTADO DO SÃO PAULO PERGUNTO-LHE: O SENHOR VAI ADMITIR UM PETISTA NO SEU STAF POLÍTICO?

    Curtir

  4. Júlio Tadeu Machado

    João, se aceitar este PULHA retornando ao Município e se mantiver a VELOCIDADE da MARGINAL o povo que votou em você deve pedir a IMPUGNAÇÃO de seu MANDATO., afinal, votamos em um PROGRAMA que nos foi apresentado.
    Se for agir assim, sugiro que se vista de PALHAÇO, JÁ, antes de assumir, assim já entraremos com um pedido de IMPUGNAÇÃO antes que seja tarde e tenhamos mais um CAFAJESTE na DIREÇÃO do MUNICÍPIO. Afinal, se mudar o prometido em campanha será mais um APROVEITADOR e MENTIROSO. Afinal você, JOÃO DÓRIA, é EMPRESÁRIO ou POLÍTICO. Nós os ELEITORES não somos MOLEQUES! Se mudar a conversa, o MOLEQUE será VOCÊ JOÃO DÓRIA!

    Curtir

  5. Ainda bem que essa bomba de ADEVOGADO é paulista!

    Curtir

  6. Esse com toda a certeza faz parte da tal ‘ casta ‘ de funcionários públicos a que a mídia tanto ataca. Não os milhares de funcionários que atuam na linha de frente com a população, muitas vezes sem qualquer estrutura para atender bem todos aqueles que precisem dos serviços públicos mas que os donos do poder ignoram. Não vejo e nem leio qualquer ataque contra ele, contra os juízes, contra os militares e principalmente contra as mordomias de políticos.

    Curtir