“A saudade me arrebenta”, diz pai do menino Joaquim

Artur Marques, 37 anos, ajudou a polícia a achar o assassino confesso do seu filho, o padrasto da criança

Em depoimento a VEJA, Artur Marques, de 37 anos, fala da saudade do filho Joaquim, morto aos três anos, e conta como ajudou a polícia a encontrar o assassino, Guilherme Longo, padrastro da criança. “No início deste ano, vivi alguns dos piores dias da minha vida. Cerca de três anos antes, meu filho Joaquim havia sido morto, aos 3 anos, com uma overdose de insulina injetada pelo padrasto. Guilherme Longo, que morava com a minha ex-mulher desde o nosso divórcio, chegou a confessar o crime, mas fugiu logo em seguida”, narra Artur. “Emagreci 15 quilos em dois anos, não dormia e não comia. Sentia muita raiva de tudo.”

Em seu relato, Artur lembra o dia em que recebeu o telefonema de seu advogado. “Ele contou que uma chilena desconhecida havia entrado em contato com ele para dizer que Guilherme Longo estava na Espanha. A chilena o havia conhecido em Barcelona por meio de um amigo americano. Esse amigo, mais tarde, teria revelado à chilena que Guilherme não só admitiu o assassinato como se vangloriou de não ter sido pego pela policia. A chilena mandou fotos dele para meu advogado. Quando as vi, tive certeza: era mesmo Guilherme”, diz. A polícia foi então avisada: “Fiquei muito ansioso – pensei em ir à Espanha para acompanhar a prisão. Cheguei a reservar a passagem mais de três vezes, mas desisti. Quando soube que ele tinha sido preso em Barcelona, só conseguia chorar. Foi um misto de alegria, raiva, realização, tristeza. O vídeo que o mostrava sendo algemado me trouxe uma felicidade que não sentia havia anos.”

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ronaldo Serna Quinto

    Pena de morte, já!!!!

    Curtir

  2. Cretinos e assassinos de crianças tem que apodrecer na cadeia por ser Brasil, mas se fosse nos USA este vagabundo iria a pena de morte.

    Curtir

  3. Anne Johanssen

    Onde está o canalha agora? Vagabundo sem vergonha, assassino. E essa mãe é um monstro também… se envolver com um drogado da clínica onde trabalhava como psicóloga mostra que ela não vale nada. Tomara que o vagabundo apodreça na cadeia.

    Curtir

  4. Bom dia. Muito triste o que ele está passando, agora é entregar na mão de Deus, que a justiça dos homens seja feita. Volte a viver, toque sua vida, SEGURA NA MÃO DE DEUS E VÁ!

    Curtir

  5. Que DEUS te reconforte!!!

    Curtir

  6. Uendel Pimentel

    Em meio de tanta crueldade deste crime espero que esse mosntro pague da maneira correta ao que fez e espero que este pai tenha ao menos um pouco de paz agora já que essa criancinha está sob o amparo do Deus. Passo minha energia positiva pra voce Artur.

    Curtir

  7. Mario Macedo

    infelizmente a grande dor só é sua, a nossa é diferente, mas, também é grande e revoltante pois não é o primeiro caso, nem será infelizmente o último, e o que estão fazendo para tentar diminuir tais crimes, quem deveria mudar as leis para tentar ao menos intimidar estes crimes são omissos e não pertencem a este brasil, Deus te ilumine pois só ele pode te ajudar

    Curtir