A Guantánamo brasileira

VEJA entrou na penitenciária de segurança máxima e entrevistou os primeiros brasileiros adeptos do Islã condenados por terrorismo

Na ala Alfa da penitenciária de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, os presos pulam da cama de cimento antes do amanhecer. Voltados para o nascente, em direção à Meca, a cidade sagrada do Islã, eles irrompem o silêncio do pavilhão iniciando uma das cinco orações diárias. Todos rezam juntos, em voz alta, ajoelhados, inclinando a cabeça até tocar a testa no chão. Esse ritual é realizado longe dos outros detentos. Por questões de segurança, a ala Alfa, que tem capacidade para 26 pessoas em celas individuais, é ocupada por apenas quatro – os primeiros brasileiros adeptos do islamismo julgados e condenados por tramarem um atentado terrorista.

Reportagem de VEJA desta semana relata a visita a essa pequena Guantánamo brasileira e publica a entrevista com os presos islâmicos condenados por terrorismo. Todos eles foram alvos da Operação Hashtag, nome da investigação da Polícia Federal que prendeu há cerca de um ano dez pessoas acusadas de planejar um atentado no Brasil. Desse grupo de terroristas, oito foram condenados pela primeira vez em maio deste ano com base na lei antiterrorista, sancionada em março de 2016.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Muito cinismo desses caras falando que sofre horrores na prisão, falta de direito humanos e outras coisitas mais.Voces são TERRORISTAS.

    Curtir

  2. raphael ribeiro

    Veja esta se superando!
    Agora promove a vitimização de terroristas.
    Belo trabalho de subversão

    Curtir

  3. Northon Souza

    Foi em um desses presídios de “segurança máxima”, que foi dada a ordem para aquela matança que ocorreu nas penitenciarias do norte e nordeste no Brasil, também foi em um desses que Beira-Mar comandava o CV no Rio, não existe presidio de segurança máxima no Brasil, existe é desperdício de dinheiro público com esse caras.

    Curtir