Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fernanda Young responde a juiz: “Exijo respeito e irei recorrer”

Ao blog VEJA Gente, a atriz e escritora diz que irá recorrer da decisão e que juiz que reduziu sua indenização por ela ter posado nua não conhecia sua obra

Fernanda Young: “Ele não me conhece, claramente não conhece a minha obra”. (Lailson Santos/VEJA)

 

A escritora e atriz Fernanda Young reagiu ao juiz que disse que ela deveria ter “um pouco mais de respeito”.

Fernanda venceu um processo contra ataques na internet em 2015, mas teve a indenização reduzida por ter “reputação elástica”, de acordo com o magistrado (leia-se, por ter posado nua).

 

Ao blog VEJA Gente, ela escreveu:

“Juiz, irei recorrer. Eu “ganhei a causa” e com isso uma “lição de moral”. Exijo respeito como mulher, mãe e artista. Ele fez uma avaliação através de suas opiniões pessoais sobre mim. Ele não me conhece, claramente não conhece a minha obra”.

Atacada na internet em 2015, a escritora e atriz Fernanda Young entrou com processo contra seu agressor, Hugo Leonardo de Oliveira Correa, que usou um perfil falso no Instagram para chamá-la de “vadia lésbica” e a ofendeu com termos chulos. Em decisão desta semana, o juiz Christopher Alexander Roisin, da 11ª Vara Cível de São Paulo, concedeu ganho de causa à atriz e definiu que ela deveria receber uma indenização por danos morais. O valor, porém, é de apenas 5.000 reais. Isso porque, segundo o magistrado, Fernanda tem uma “reputação elástica”.

O valor leva em conta ainda o fato da autora ter artisticamente posado nua, de modo que sua reputação é mais elástica, inclusive porque se sujeitou a publicar fotografia fazendo sinal obsceno, publicou fotografia exibindo os seios e não se limitou a defender-se, afirmando que terceiros seriam ‘burros’”, disse o juiz na decisão.

 

Roisin ainda afirma que Fernanda deveria mostrar mais “respeito”. “Ora, uma mulher com tantos predicados como a autora afirma possuir deveria demonstrar, porque formadora de opinião, um pouco mais de respeito. Há valores morais que devem governar a sociedade e que, no mais das vezes, nos dias que correm, são ignorados em prestígio a uma pretensa relatividade aplicada às ciências sociais, geradora do caos atual. Disciplina, limites, ética, regras de convívio social devem retomar o posto de primazia na sociedade brasileira, relegando o desrespeito, o descaso, o egoísmo aos planos inferiores.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. o juiz querer educar uma delinquente velha e desgastada cheia de psicoses e neuroses além dos óbvios complexos de inferioridade, rejeição e necessidae absurda de atenção, é perda de tempo. Não se jogam pérolas aos porcos nem aos cães.

    Curtir

  2. Laerte dos Anjos Guimar¿es

    Se eu for julgar só pela obra escrita já faço mal juízo. Mas o juiz podia ter sido mais esperto e guardado a opinião para si. Nos dias de hoje o conceito de respeito é muito elástico.

    Curtir