Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Deputado defende licença de três dias para mulher menstruada

O deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT) diz que a liberação será boa para produtividade da empresa

 

Deputado Carlos Bezerra: “Esse é um projeto social de alcance profundo” (Cristiano Mariz/VEJA)

 

Qual a necessidade de uma licença-­menstruação? Você é mulher e sabe do problema por que vocês passam durante esse período. Se forem incluídos os dias da TPM, então, nem se fala. Vocês ficam de baixo-astral. Reclamam, né? Minha mulher já teve cólicas terríveis — hoje, não tem mais. No Japão, essa lei já existe. Vi que era o momento de avançar isso no Brasil. Convivo com muitas mulheres, de vereadoras a deputadas, e me preocupo com a mulher. Tenho meu lado feminino.

Lado feminino? Sim. Sou o autor da PEC das Domésticas e tenho um projeto que obriga o SUS a fazer a restauração do seio da mulher no caso de câncer de mama. Aqui no Brasil, o lado feminino é muito fragilizado.

Como foi a reação das mulheres com quem o senhor falou do projeto? Todas aprovaram. São simpáticas à lei, porque conhecem o assunto. É um tema grave, que estava debaixo do tapete.

O senhor propõe alterar um artigo da CLT para as empresas liberarem as mulheres do trabalho por até três dias ao mês durante o período menstrual. O que os empresários acharam disso? Estão totalmente contra. Eles me procuraram, exaltados: “Mas como o senhor faz um projeto desses, numa hora em que o país está com índices tão altos de desemprego?”. A verdade é que ninguém leu o projeto. Ora, a empresa só tem a ganhar, vai produzir mais, e não vai ter prejuízo, porque a mulher vai repor esse horário perdido, trabalhando em casa ou numa carga horária maior em outros dias.

É o momento de apresentar um projeto assim, quando o país discute outras reformas? Eu acho que muda o enfoque. Tira o foco da corrupção e mira o bem-estar social. Falam só em corrupção, corrupção. Há outros problemas importantes. Esse é um projeto social de alcance profundo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Fernanda Rodrigues

    Nem todas sentem algo.

    Curtir

  2. José carlos Werneck

    A proposta é séria e deve merece a atenção dos parlamentares.Isso se falar,que a mulher tem sempre dupla jornada de trabalho.As mulheres,geralmente,são responsáveis e produtivas,e ao retornarem da licença,com toda certeza terão um desempenho laboral muito melhor.Bom projeto.

    Curtir

  3. João José da Silva Neto

    Falta de criatividade. Aínda votam nele?

    Curtir

  4. Quero meu voto de volta!

    Curtir

  5. Miguel Dias Gonçalves

    É proposta em momento inoportuno, o Brasil atravessa por problemas difíceis na politica, não vejo necessidade de focar em um assunto dessa natureza agora, para tirar de foco assuntos mais importantes a resolver.

    Curtir

  6. O resultado prático será que se aprovada a lei, ficará mais difícil para as mulheres arrumar emprego.

    Curtir

  7. Sinto dizer, mas o emprego para mulheres está cada vez mais ameaçado. E falando em igualdade, tambem quero meus tres dias de mens….. quer dizer.. enxaqueca pós “porre”.

    Curtir

  8. Jumento! Empregada doméstica, mãe, atleta param suas atividades quando de TPM? Populista inútil.

    Curtir

  9. Osmerivaldo de Sa Alves

    É impressionante como nossos políticos se superam, seja na corrupção, na incompetência ou na falta de noção (ou tudo junto). E o povo ainda vota numa b. dessas. Porque ele não apresenta um projeto para que a nossa educação e saúde seja igual as do japão para que as mulheres as tenham aqui.

    Curtir

  10. Menstruação é sinal de SAÚDE, não de “doença”.
    Fazer-se de vítima para levar vantagem em cima dos “trouxas” que é DOENÇA. DO CARÁTER!
    Conheço muitas pessoas que nasceram “em baixo de pé de café” enquanto a mãe TRABALHAVA NA ROÇA, TODOS com MUITO boa saúde!

    Curtir