Blogs e Colunistas

sérgio cabral

08/03/2011

às 13:51

Cabral põe no Twitter foto com Vincent Cassel

Sem presidente, sem candidatos, sem muito ‘conversê’ político, o governador Sérgio Cabral pôde se dedicar a outros assuntos em seu camarote este ano na Marquês de Sapucaí. Sobrou tempo até para trocar algumas palavras em inglês com o ator Vincente Cassel, que atuou em ‘Cisne Negro’ e que se prepara para rodar um filme sobre amor e traição no Rio. A passagem de Cassel pelo camarote oficial do governador foi parar no Twitter, com o ator ladeado por Cabral e pelo secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame.

07/03/2011

às 17:41

O pacato carnaval do governador do Rio

Sem Lula, sem Dilma, restou Barack Obama como assunto para o governador do Rio

Sem Lula, sem Dilma, restou Barack Obama como assunto para o governador do Rio

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, teve no ex-presidente Lula um aliado político e, também, midiático. Lula jogou bola no Maracanã, visitou favelas e sambou na Marquês de Sapucaí – no ano passado em companhia da então ministra e candidata Dilma Rousseff – para demonstrar uma parceria que pode ser apontada como fundamental para a reeleição de Cabral.

Neste Carnaval, Cabral ficou órfão. Lula foi convidado, mas preferiu a Tom Maior, que homenagearia São Bernardo. Dilma, desta vez, preferiu – sabiamente – o retiro.

Cabral, que não é do samba como o prefeito Eduardo Paes, acabou tendo seu destaque por causa de um outro presidente: Barack Obama, que estará no Rio no domingo, 20 de março.

A agenda de Obama ainda não esta fechada, mas  incluirá uma visita ao Cristo, outra a uma favela pacificada (dona Marta ou Cidade de Deus) e um discurso para um público não inferior a dez mil pessoas. As alternativas que serão apresentadas à comitiva que chega ao Rio na quinta-feira são a sacada do Theatro Municipal, o Monumento aos Pracinhas, onde aconteceram as missas papais no Rio, e o Maracanãzinho. É agenda que garante visibilidade a qualquer governador.

Lucila Soares, do Rio de Janeiro

18/01/2011

às 16:52

Aluguel social na Região Serrana terá 30 milhões de reais

Sergio Cabral, com Pezão, a presidente da CEF e ministros em Nova Friburgo: romaria

Sergio Cabral, com Pezão, a presidente da CEF e ministros em Nova Friburgo: romaria

O governador Sergio Cabral liderou nesta terça-feira uma romaria ministerial a Nova Friburgo, o município mais afetado pela tragédia das chuvas. Acompanhado pelos ministros da Integração Nacional, Fernando Bezerra, da Justiça, José Eduardo Cardozo e da Defesa, Nelson Jobim, Cabral anunciou que em 1 de fevereiro vai liberar a verba do aluguel social para a população desabrigada.

O programa de socorro às pessoas que perderam suas casas terá recursos de 100 milhões de reais – 70 milhões de reais do governo federal, e 30 milhões de reais do governo estadual. E será implementado em duas etapas. Na primeira, será pago o aluguel social, que contará com orçamento de 30 milhões de reais. Depois, serão construídas casas, em parceria com as prefeituras.

No embalo do anúncio das medidas, e já falando até na cessão de terrenos para a construção das moradias, Sergio Cabral passou por cima do fato de que o cadastramento dos candidatos ao aluguel social sequer começou. “Aqui em Nova Friburgo, já conversou com o prefeito, que já separou dois terrenos. Mas as primeiras providências a limpeza e remoção de escombros, para permitir a retomada do cotidiano da cidade”, disse Cabral, depois de reunião com os ministros, a presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda, o vice-governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito de Nova Friburgo, Heródoto Bento de Mello.

Segundo Cabral, enquanto a reunião acontecia, representantes do governo estadual estavam em Brasília, reunidos com a presidente Dilma Rousseff e diretores do Banco Mundial, buscando a liberação de mias recursos para a reestruturação da Região Serrana. O programa Minha Casa, Minha Vida, deve aumentar o teto dos empréstimos destinados à construção de moradias na região de 46 mil reais para 52 mil reais – o mesmo valor pago na capital do estado. Cabral reafirmou a importância de que o programa dê prioridade a quem mora em regiões de risco.

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, destacou a presença de mil pessoas do governo federal trabalhando nas regiões atingidas pela tragédia. E disse que estão sendo estudadas medidas para ajudar a indústria e os agricultores a retomar a atividade.

15/01/2011

às 20:02

Rio conta 610 mortos. E teme mais chuvas no domingo

Sérgio Cabral em visita a hospital de campanha (Foto: Marcelo Vallin)

A luta das equipes de resgate para encontrar sobreviventes nas regiões atingidas pelos temporais na Região Serrana do Rio de Janeiro trouxe neste sábado alguns relatos animadores, como o do homem que conseguiu resgatar sua família, ilhada em Nova Friburgo. Mas também surgiram novos indícios das dimensões assustadoras da tragédia.

No começo da noite, em novo balanço divulgado pelo governo estadual e pela Defesa Civil, o número total de mortos passou a 595 em cinco cidades. As equipes seguem à procura de vítimas – e continua chovendo na região. A previsão feita pelo Inmet para domingo é de dia nublado, com pancadas de chuva e possíveis trovoadas, para Teresópolis, Nova Friburgo e Petrópolis.

Conforme o último balanço, Nova Friburgo tem 274 mortos. Teresópolis, a segunda cidade mais atingida, conta 263. Petrópolis tem 55 vítimas e Sumidouro tem dezoito. Petrópolis é a que registra os maiores números de desalojados (3.600 pessoas) e desabrigados (2.800). Teresópolis tem 960 desalojados e 1.280 desabrigados. Em Nova Friburgo, os desalojados são 3.220, e os desabrigados, 1.970.

No início da tarde, o governador Sérgio Cabral visitou a Região Serrana e disse ter ficado assustado com o que viu. Cabral teve dificuldades para chegar às áreas atingidas e pediu à população que não use a RJ -116, de forma a liberar a via ao tráfego de veículos que participam das operações de ajuda às vítimas.

Em Nova Friburgo, a chuva forte que começou a cair depois do meio-dia deste sábado complicou o trabalho de resgate. Um temporal atingiu a cidade e interrompeu as operações de salvamento e transporte de medicamentos e alimentos que seria feita com helicópteros.

Os aparelhos são usados para tentar levar ajuda às áreas ainda isoladas pelos deslizamentos na cidade. O prefeito de Nova Friburgo costurou apoio até mesmo da cidade coirmã de Fribourg, na Suíça – que promete enviar especialistas em resgate para ajudar os fluminenses. Na mesma cidade, foi preciso enterrar como indigentes pessoas não identificadas – não havia tempo nem condições para esperar exames de DNA.

15/01/2011

às 14:29

Governador pede que população não use a RJ-116

Depois de ficar preso por uma queda de barreira na estrada que liga o Rio de Janeiro a Nova Friburgo, no início da tarde deste sábado, o governador do estado, Sérgio Cabral, fez um apelo à população. “Eu peço encarecidamente que nenhum cidadão use a RJ -116 agora. Me desculpem o atraso. Mas acabei de vir de lá, vi muita água. A situação está calamitosa”, disse, referindo-se especificamente ao Bairro Ipu, localidade entre Mury e Nova Friburgo.

Cabral faria uma visita à cidade às 11h, mas por falta de teto, o helicóptero em que estava não pôde se aproximar do centro do município. O plano, então, foi alterado para um pouso em Cachoeiras de Macacu, no pé da serra. De lá, a comitiva seguiu para Friburgo, mas foi atrasada por uma interdição da estrada.

O governador também rechaçou as críticas dirigidas ao poder público. “O cidadão que reclamar do poder público estará sendo injusto com todos esses trabalhadores à minha volta, policiais militares, policiais civis, bombeiros, médicos”, disse, antes de entrar no hospital de campanha do governo do estado, comandado pelos bombeiros militares.

(Por Leo Pinheiro, de Nova Friburgo)

12/01/2011

às 13:16

Rio: governador pede ajuda à Marinha para socorrer vítimas

O governador do Rio, Sérgio Cabral, solicitou reforços à Marinha do Brasil para prestar auxílio à população atingida pelas chuvas na Região Serrana do estado. O pedido, segundo informou uma nota oficial do governo do estado, foi encaminhado ao ao comandante da força, almirante Júlio Moura. As aeronaves serão empregadas no deslocamento de tropas e equipamentos do Corpo de Bombeiros para as cidades de Tersópólis, Nova Friburgo e Petrópolis.

De acordo com a Defesa Civil estadual, 50 homens do Corpo de Bombeiros da capital foram deslocados para a Região Serrana. O vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, está visitando as áreas atingidas.

10/12/2010

às 19:40

Prefeitura e governo estadual fazem romaria ao Alemão

O prefeito Eduardo Paes transferiu nesta sexta-feira seu gabinete para a região do Complexo do Alemão. Até domingo, Paes cumprirá uma intensa agenda no Alemão, no Complexo da Penha e nos bairros do entorno. A iniciativa faz parte do projeto Prefeitura Itinerante, e integra uma grande romaria oficial à área durante o fim de semana. O governador Sérgio Cabral também visita o Alemão neste sábado.

Ele participa de uma festa na qual será realizado um concurso de frases, em que as crianças do local vão falar sobre as mudanças pelas quais a região está passando com a pacificação. As 152 melhores frases vão envelopar as cabines do Teleférico do Alemão. Está prevista ainda uma visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que avisou fazer questão de inaugurar o teleférico antes do fim de seu mandato – ou seja, até o fim de dezembro.

Maratona – Eduardo Paes percorrerá os complexos da Penha e do Alemão e os bairros da Penha, Penha Circular, Inhaúma, Ramos, Olaria, Bonsucesso, Engenho da Rainha e Higienópolis. A ideia é que o prefeito ouça as necessidades da população, apresente projetos e dê início a um conjunto de obras e melhorias.

A maratona de Paes começa às 9h da manhã, na Vila Olímpica do Alemão, com a apresentação do projeto “Empresa Bacana”, que visa à legalização de pequenos negócios para o Complexo do Alemão. O prefeito ainda participa da inauguração de uma praça em Higienópolis, do lançamento do programa “Morar Carioca” no Complexo da Penha, e do início do programa Ação da Cidadania na Vila Cruzeiro, que permitirá aos moradores retirar a 1ª e a 2ª via de documentos, além de oferecer exames de clínica geral, oftalmologia e odontologia, entre outros serviços.

No domingo, o prefeito apresenta o projeto de construção do novo Plano Inclinado da Igreja de Nossa Senhora da Penha, onde assiste à missa das 10h. Em seguida, apresenta o projeto da Arena Carioca da Penha, que ocupará uma área de 2 mil metros quadrados no Parque Ari Barroso.

(Rafael Lemos, do Rio de Janeiro)

No blog VEJA Acompanha, outras notícias sobre o combate ao crime organizado no Rio de Janeiro

30/11/2010

às 12:06

Tropas federais ficam no Rio até outubro de 2011

As tropas das Forças Armadas vão permanecer no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro até outubro de 2011. Inicialmente, a previsão do governador Sérgio Cabral era de que as tropas federais ficariam até julho nas favelas.

O pedido foi feito pela manhã pelo secretário José Mariano Beltrame e encaminhado ao governo federal pelo governador. A resposta do Ministério da Defesa foi positiva.

Sérgio Cabral Filho também pretende oficializar nesta terça-feira, ao Ministério da Defesa, o pedido de participação de mais 2.000 homens das Forças Armadas na missão de combate ao banditismo no Rio de Janeiro.  Os militares participarão da ocupação do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro. O comando das Forças Armadas resistia à longa permanência no Rio, mas aceitará a missão, costurada com apoio do governo federal.

A avaliação do comando militar é de que existe consenso político em favor da permanência das tropas – além do apoio da população, manifestado abertamente nas ruas do Rio de Janeiro. De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, as Forças Armadas demonstraram preocupação com a alteração de sua missão nas favelas do Rio de Janeiro- de um trabalho de vigilância ao redor dos morros para o de policiamento dentro do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro.

(Com reportagem de Rafael Lemos, do Rio de Janeiro)

No blog VEJA Acompanha, outras notícias sobre o combate ao crime organizado no Rio

29/11/2010

às 12:24

UPP do Alemão chega no 1º semestre de 2011

A previsão do governador Sérgio Cabral é de que até o fim do primeiro semestre as favelas do Complexo do Alemão e a Vila Cruzeiro recebam Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). O governador tinha um compromisso no seminário ‘Rio Cidade Sede’, que deveria ter como tema os Jogos Olímpicos de 2016. A operação nas favelas, no entanto, acabou dominando a pauta.

A onda de terror iniciada na semana passada por traficantes obrigou o estado a rever todo o planejamento de expansão das UPPs. Como explicou no domingo o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, não havia previsão – nem estrutura preparada – para uma ocupação deste porte nas favelas do Alemão e da Penha.

Com o território ocupado, essas passam a ser prioridades. “Agora, são os próximos passos. Nós não vamos dormir nos louros da conquista de ontem. Acordamos hoje com o desafio dos próximos dias, semanas e meses, que é a reconquista definitiva dos territórios ainda ocupados pelo poder paralelo”, disse Cabral.

De acordo com o governador. Os próximos passos passam necessariamente pela integração com o Ministério da Defesa e a Polícia Federal, tanto em ações pontuais de inteligência como em atividades ostensivas – ou seja, está mantida a cooperação do governo federal e das Forças Armadas no esquema de patrulhamento e manutenção do território das favelas ocupadas na última semana.

Até o momento, o governo do estado instalou 12 UPPs. A inauguração da 13ª será nesta terça-feira, no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte. Foi nesta favela que traficantes, em outubro de 2009, traficantes abateram  um helicóptero da Policial Civil, matando três agentes.

A próxima unidade desse tipo no plano da Secretaria de Segurança, segundo o governador, ficará no Maciço do Lins, um conjunto de pequenas favelas na zona norte, entre elas os morros do Quieto e São João.

“Apesar da antecipação das UPPs do Morro do Alemão e da Vila Cruzeiro, o cronograma das outras unidades está mantido, respeitando o processo de formação de 7 mil policiais militares previsto para 2011”, explicou o governador.

Nesta segunda, os homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) retomaram as buscas pelo complexo. De acordo com o tenente-coronel Paulo Henrique Moraes, comandante do Bope, 90 policiais passaram a noite em seis favelas do complexo e outros 90 chegaram pela manhã para juntar-se ao efetivo. No conjunto de favelas o clima é de aparente tranquilidade. O comércio reabre suas portas após dois dias sem poder trabalhar por causa da batalha entre policiais e traficantes.

(Com reportagem de Rafael Lemos, do Rio de Janeiro)

No blog VEJA Acompanha, outras notícias sobre a onda de terror no Rio.

27/11/2010

às 20:39

“O momento é de retomada dos territórios”, diz Sergio Cabral

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, divulgou uma nota oficial comentando a operação da polícia e das Forças Armadas no Complexo do Alemão. Cabral explicou que a ação é essencial “para garantir o ir e vir das pessoas” e que “o momento é de retomada dos territórios e afirmação da ordem”.

O apoio da população ao trabalho dos policiais foi destacado pelo governador, que também ressaltou o auxílio do governo federal, citando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a recém-eleita Dilma Rousseff. “Estamos todos unidos com o mesmo propósito: seguir em frente sem qualquer recuo na busca da libertação das pessoas do poder de bandidos”, afirmou Cabral.

Confira a íntegra da nota divulgada pelo governador no início da noite deste sábado:

“As operações em curso no Rio de Janeiro, desenvolvidas por nossos policiais, pela Polícia Federal e pelas tropas militares, são essenciais para garantir o ir e vir das pessoas. É um direito básico, que é o nosso dever. O momento é de retomada de territórios, de afirmação da ordem e do Estado de Direito Democrático.

As equipes de Segurança vêm informando e esclarecendo à população sobre os acontecimentos, inclusive sobre o anúncio (hj, 27/11) de um ponto de rendição aos bandidos.

O conjunto de ações no combate à criminalidade está recebendo o apoio da sociedade civil, o que nos estimula e reforça o fato de que estamos no caminho certo.

Estamos todos unidos. Todos com o mesmo propósito: seguir em frente sem qualquer recuo na busca da libertação das pessoas do poder de bandidos nas comunidades.

A referência e o poder nas comunidades – e em toda a sociedade – deve ser a do Poder Público, com pacificação e ações sociais em seguida. Isso já ocorre em várias comunidades, a partir das Unidades de Polícia Pacificadoras, as UPPs, contra as quais a bandidagem agora reage, porque as UPPs lhes tomaram os territórios.

A parceria do Governo do Rio com o Governo Federal, em contatos diretos com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente eleita, Dilma Rousseff, e ministros de Estado beneficia diretamente à nossa sociedade. A população deseja e vai se libertar, porque não vamos recuar na nossa política de Segurança.

A população está confiante. Os nossos policiais estão orgulhosos por esse apoio. É o meu compromisso, reafirmo, pacificar todas as comunidades onde houver o domínio do poder paralelo.

Sérgio Cabral, governador do Estado do Rio de Janeiro”

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados